19 Abril, 2024

50 anos de mentiras do PS

Já se passaram cerca de 50 anos, desses cinquenta anos de existência do PS o país tem vindo a piorar dia após dia, a realidade é que foram anos repletos de mentiras e de quem empurrava o país cada vez mais para a ruína. Nestes cinquenta anos o PS esteve mais de vinte e cinco anos no governo com políticos como Mário Soares, António Guterres e José Sócrates em que todos temos a perfeita noção do quão pioraram a situação do nosso país. O PS levou o país três vezes à ruína (1977, 1983 e 2011) e é culpado pela estagnação económica de Portugal. Será que os portugueses querem que Portugal continue assim?

No ano em que José Sócrates era primeiro-ministro de Portugal, em 2007 o aborto voluntário foi legalizado por referendo e é permitido até à décima semana de gravidez se assim a mulher quiser independentemente dos motivos e como sabemos nesse mesmo ano quem estava a governar era o PS com José Sócrates. Na minha opinião, o aborto deveria apenas ser possível em casos de violação ou então nos casos em que o feto coloca em risco a saúde da mãe ou tem alguma má formação, pois os adolescentes têm acesso a métodos contracetivos por vezes até gratuitamente e vivemos num país onde todos os jovens têm acesso à informação e regularmente há palestras nas escolas para evitar essas situações de gravidez indesejada na adolescência.

Um assunto bastante atual que merece uma devida atenção, atenção essa pertencente a Lula (atual presidente do Brasil) em que o PS afirma que este tem procurado fomentar “a busca pela paz” na Ucrânia, porém Lula defende o plano de paz do partido comunista chinês. Realçando também o facto da vinda de Lula no dia 25 de abril a Portugal para discursar, o que não tem qualquer sentido, além de ser um dia de Portugal e dos portugueses este país não deve ter lugar para ladrões e ex-presidiários.

Passado o 25 de abril, Augusto Santos Silva, atual presidente da Assembleia da República de Portugal desde 2022 exclui CHEGA das viagens oficiais da Assembleia da República depois do incidente durante o discurso de Lula da Silva, ou seja, se de facto isto acontece será uma violação da lei e do regimento (da Assembleia da República) e revela um poder ditatorial. Além disso, foi exposto um vídeo em que Santos Silva ataca o CHEGA e a Iniciativa Liberal e no fim vitimiza-se, recusando assim pedir desculpa a ambos os partidos e refere que vai investigar quem é o responsável pela divulgação do vídeo, acrescentando que Santos Silva vitimiza-se dizendo que era uma conversa informal e particular entre representantes de órgãos de soberania e outras personalidades e que ninguém tinha conhecimento nem tinha autorizado a captação de imagem e de som. O que de facto é interessante é que se visualizarmos o vídeo, quase toda a gente que lá se encontra olha para a câmara, ouve-se o flash de câmaras fotográficas e como é que Santos Silva é capaz de se vitimizar?

Na minha opinião, depois deste sucedido Santos Silva não tem condições para se manter no cargo como presidente da Assembleia da República pois deixou de ser imparcial e passou a ser apenas mais um do partido socialista e enquanto ele permanecer no cargo só vai aumentar a conflitualidade dentro do parlamento tendo abusado do seu poder.

Em conclusão, estes cinquenta anos de existência do partido socialista só danificaram o nosso país, será que queremos que continuem a fazer de nós o que querem? Espero que os portugueses se unam e reflitam que de facto não queremos que continuem a levar o nosso país cada vez mais para a bancarrota e que deixem de apoiar e defender ladrões e/ou ex- presidiários. Não podemos deixar que alguém abuse do seu poder, Santos Silva excluiu CHEGA

das delegações nas suas visitas a parlamentos estrangeiros, após a sessão de boas-vindas a Lula da Silva na qual foram expostos cartazes como “Chega de corrupção”, “Lugar de ladrão é na prisão e outros com as cores das bandeiras ucranianas, não queremos ladrões e/ou ex- presidiários cá.

Folha Nacional

Folha Nacional

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados