15 Junho, 2024

Liga dos Bombeiros Portugueses nega articulação com Proteção Civil

© ahbvcoimbra

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) desmente a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) sobre a articulação com os bombeiros para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), assegurando não ter tido qualquer reunião sobre o evento.
“A LBP reafirma que não foi convocada para qualquer reunião com a ANEPC para tratar de assuntos administrativos, logísticos ou operacionais”, pode ler-se num comunicado divulgado pela LBP na noite de terça-feira.

A reação surgiu na sequência de uma tomada de posição da Proteção Civil na terça-feira, na qual a ANEPC garantiu que “planeou, em permanente e estreita articulação operacional com os corpos de bombeiros voluntários, um dispositivo especial de proteção e socorro” para a vinda do Papa Francisco a Portugal, por causa da realização da JMJ entre os dias 01 e 06 de agosto.

Os bombeiros sublinharam a preocupação com este tema e reiteraram que até terça-feira não dispunham de “uma diretiva especifica sobre o assunto”. A LBP assinalou ainda que os corpos de bombeiros voluntários dependem das Associações Humanitárias de Bombeiros e que estas têm de ser envolvidas no processo.

“Reafirma-se que a nossa preocupação não se resume aos locais de eventos, mas acima de tudo, nos locais de pernoita e estadia de mais de um milhão de jovens que se estende por muitos municípios”, referiu a LBP.

Garantindo continuar disponível para dialogar com a Proteção Civil, a Liga exigiu igualmente que os meios que venham a ser mobilizados sejam pagos por todas as despesas e compensações de tempos perdidos, sem deixar de notar que os bombeiros voluntários têm “um regime específico de mobilização que poderá estar em causa”.

A ANEPC explicou no comunicado de terça-feira que “a “Operação JMJ2023” tem “como missão aumentar a capacidade e rapidez de intervenção dos dispositivos do Sistema Integrado de Operações de Proteção e Socorro (SIOPS) e do Sistema Integrado de Emergência Médica (SIEM), bem como assegurar toda a coordenação e reposicionamento de meios e recursos de proteção e socorro”.

Segundo a Proteção Civil, o dispositivo especial vai contar com a participação de bombeiros, mas também de operacionais da ANEPC, dos Serviços Municipais de Proteção Civil e demais serviços das Câmara Municipais, além de outras entidades “com especial dever de cooperação” para este evento.

A JMJ vai decorrer em Lisboa e em Loures na primeira semana de agosto e, além do Papa Francisco, são esperados mais de um milhão de peregrinos.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados