4 Março, 2024

Conselho de Segurança da ONU confirma reunião hoje sobre ataque a Belgorod

O Conselho de Segurança da ONU vai reunir-se às 21:00 GMT de hoje (mesma hora em Lisboa) para discutir o ataque na cidade russa de Belgorod, que matou pelo menos 14 pessoas, anunciou a missão russa nas Nações Unidas.

© Facebook da United Nations

 

“Hoje (…) haverá uma reunião do Conselho de Segurança da ONU solicitada pela Rússia sobre os ataques em Belgorod”, declarou a missão nas redes sociais.

A informação foi confirmada à agência AFP por dois membros do Conselho de Segurança da ONU.

A Rússia tinha pedido para hoje uma reunião de urgência do Conselho de Segurança na sequência do ataque à cidade russa de Belgorod, que matou pelo menos 14 pessoas, entre elas duas crianças, e 108 feridos, segundo um relatório do Ministério russo das Situações de Emergência, e atribuiu a responsabilidade à Ucrânia.

“De acordo com as últimas informações, 12 adultos e duas crianças morreram em Belgorod. Além disso, 108 pessoas, incluindo 15 crianças, ficaram feridas”, escreveu na rede social Telegram.

O Ministério da Defesa russo garantiu, na mesma rede social, que o ataque mortal a Belgorod não ficará “impune”, culpando o exército ucraniano: “Este ataque não ficará impune”, afirmou o ministério russo no Telegram, indicando que conseguiu intercetar dois mísseis e “a maioria” dos foguetes lançados contra a cidade.

Anteriormente, os governadores locais das regiões russas de Belgorod e de Bryansk tinham indicado, na mesma rede social, quatro mortos, entre eles três crianças, e um número indeterminado de feridos.

Os ataques do exército ucraniano acontecem um dia depois de ataques em massa da Rússia contra várias cidades em toda a Ucrânia, incluindo a capital, terem provocado a morte de pelo menos 39 pessoas e feito mais de 160 feridos, indicou hoje o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, nas redes sociais, após um balanço inicial de trinta mortos.

Este ataque foi “o maior em termos de vítimas civis”, afirmou hoje o presidente da Câmara de Kiev, Vitali Klitschko, que declarou um “dia de luto” para o dia 01 de janeiro de 2024.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro de 2022 pela Rússia na Ucrânia causou, de acordo com os mais recentes dados da ONU, a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados