23 Maio, 2024

Terroristas vandalizam e saqueiam lojas em Macomia

Populares de Macomia, província moçambicana de Cabo Delgado, relataram hoje à Lusa que o grupo terrorista que ocupou a vila sede distrital está a vandalizar e saquear lojas, distribuindo parte desses produtos à população.

© D.R.

“Hoje, pelas 10:00 [09:00 em Lisboa], os terroristas começaram a vandalizar lojas na vila sede de Macomia e a distribuir arroz, óleo, sabão, e outros bens da primeira necessidade, boa parte da população beneficiada é de Mucojo”, descreveu uma fonte da população local, a partir do seu esconderijo.

A população acrescentou que parte das lojas que se encontram no centro da vila, sob ataque do grupo terrorista desde as primeiras horas de sexta-feira, foram vandalizadas e os produtos levados. Enquanto distribuem os produtos alimentares saqueados, os insurgentes desencorajam a fuga da população para as matas.

“Pediram para a população não fugir porque não têm intenção de matar ninguém. Só que não acreditamos”, disse a fonte.

Parte dos produtos saqueados nas lojas locais foram ainda transportados para parte incerta pelos insurgentes, usando motos da população.

“Levaram alguns produtos para as matas e estão a usar meios da população, na sua maioria motas”, explicou outra fonte local.

Segundo a descrição feita à Lusa pelos populares, por volta das 12:00 locais (11:00 em Lisboa) de hoje, os insurgentes permaneciam em Macomia, ouvindo-se disparos até então por toda a vila.

“A situação não está boa, a vila está num absoluto silêncio, só se ouve o ruído de motorizadas e drones que eles mesmos estão a usar”, descreveu uma fonte a partir das matas de Macomia.

“Temos acesso à vila, mas eu ainda não fui. Tem gente a ir para lá, leva comida e volta e sei que as casas estão intactas”, descreveu igualmente.

O Ministério da Defesa Nacional confirmou na sexta-feira um “ataque terrorista”, durante a madrugada, à vila de Macomia, garantindo que um dos líderes do grupo foi ferido pelas Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM) e outro morto.

“O ataque durou cerca de 45 minutos e os terroristas foram prontamente repelidos pela ação coordenada das nossas forças, que obrigaram o inimigo a recuar, em direção ao interior do posto administrativo de Mucojo”, lê-se num comunicado do Ministério da Defesa Nacional.

Acrescenta que o ataque aconteceu cerca das 04:45 locais (03:45 em Lisboa) e que, no “confronto”, as FADM “capturaram um terrorista e feriram um dos líderes, conhecido por ‘Issa’, que conseguiu escapar, não havendo registo de óbitos ou feridos por parte das Forças Armadas”.

“Posteriormente, o terrorista capturado veio a perder a vida por ferimentos graves”, lê-se.

O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, já tinha confirmado, ao final da manhã de sexta-feira, este ataque à sede distrital de Macomia, explicando que aconteceu numa zona antes controlada pelos militares da missão dos países da África austral, que está em progressiva retirada até julho.

“É verdade que é uma zona ocupada pelos nossos irmãos que nos apoiam, em retirada. Mas os que estão no terreno são 100% os moçambicanos. Talvez possa haver um reforço (…). Como estão de saída. Espero que consigamos nos organizar melhor, porque o tempo de transição dá isso”, reconheceu, enaltecendo a intervenção em curso dos militares moçambicanos.

Os tiroteios na sede distrital começaram durante a madrugada, com os rebeldes a aparecerem no centro da vila, vindos da estrada de Mucojo, relataram fontes locais ao início da manhã de sexta-feira, à Lusa.

Indicaram igualmente que a vila sede distrital de Macomia estava tomada por mais de uma centena de insurgentes.

A vila de Macomia situa-se na estrada Nacional 1 (N1), que faz a ligação aos distritos mais ao norte, casos de Muidumbe, Nangade, Mueda, Mocimboa da Praia e Palma, pelo que este ataque interrompe igualmente a comunicação por terra aos cinco distritos.

A província enfrenta desde outubro de 2017 uma rebelião armada com ataques reclamados por movimentos associados ao grupo extremista Estado Islâmico.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados