15 Julho, 2024

Venezuela disponível para receber PR de Portugal depois das presidenciais

A Venezuela está disponível para receber o Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, já depois das eleições presidenciais de 28 de julho, disse à Lusa fonte do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, no poder).

“Claro que sim. Aqui há uma grande comunidade portuguesa. Nós recebemos 500.000 migrantes portugueses e já há um milhão e meio, contando com todas as gerações que aqui vivem. E, para nós seria uma honra que o Presidente [de Portugal] venha”, disse à Lusa Nicolás Maduro Guerra, filho do atual Presidente da Venezuela.

Nicolás Maduro Guerra falava, no sábado, no Santuário de Nossa Senhora de Fátima, em Carrizal, 30 quilómetros a sul de Caracas, à margem da cerimónia de consagração do padre luso-descendente José António da Conceição, como novo bispo da diocese de Puerto Cabello (centro-norte do país).

“Estamos em pleno processo eleitoral e nós podemos dizer que temos um bom prognóstico. Uma vez que passemos este processo eleitoral, que acreditamos e temos a certeza de que vamos ganhar, que venha, que o Presidente Nicolás Maduro o receberá”, frisou.

Na Venezuela, “quando se fala de um português isso é sinónimo de trabalho, de família, de pessoas que vieram à procura de esperança e conseguiram-na”, disse.

“Também de pessoas que vieram à procura de emprego, de prosperidade e conseguiram-na, e que têm ajudado a erguer este país. Quando se fala da história económica da Venezuela, não se pode falar de crescimento económico sem incluir a comunidade portuguesa”, sublinhou.

Sobre o novo bispo de Puerto Cabello, Nicolás Maduro Guerra, que é também vice-presidente para “assuntos religiosos” do PSUV, disse que “faz parte dessa cooperação, dessa união” luso-venezuelana.

“[José António da] Conceição é de origem portuguesa, mas venezuelano de coração. Portanto, há ali uma união luso-venezuelana, de coração, alma e mente. Aqui estão [os portugueses], com Deus, nas empresas, nas padarias, nas fábricas. Os portugueses e os venezuelanos estão no coração da nação”, disse.

No mês passado, no final das comemorações do dia 10 de Junho na Suíça, Marcelo afirmou que tinha o sonho de realizar as comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas no próximo ano na Venezuela.

“Se houver condições adoraria que fôssemos à Venezuela, é mudar de continente, é um sonho nosso, de uma comunidade que tem tantos anos e que tanto tem prestigiado o nome de Portugal”, disse.

“É um sonho que tenho há muito tempo, veremos se há condições para realizar o sonho”, admitiu.

Questionado sobre esta ideia, o primeiro-ministro, Luís Montenegro, disse compreender bem a intenção do chefe de Estado português “de mais uma vez estar ao lado de uma comunidade que tem tido tempos difíceis”.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Receba o Folha Nacional no seu e-mail

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados