15 Junho, 2024

História da rainha D. Mécia inspira teatro sonoro em torre do Castelo de Ourém

© Câmara Municipal de Ourém

O drama de D. Mécia, que terá estado presa no Castelo de Ourém no século XIII, está na origem da peça de teatro sonoro que a companhia A Turma estreia no sábado naquele monumento de Ourém, no distrito de Santarém.

A atriz Maria João Luís dá voz ao monólogo interior da monarca em “A partida de Mécia”, um áudio drama que convida os visitantes do Castelo de Ourém a sentarem-se no mesmo local onde terá estado aprisionada a rainha consorte, colocarem auscultadores e ouvirem durante 40 minutos a ficção escrita e imaginada por Tiago Correia.

O dramaturgo explicou à agência Lusa que a peça surgiu na sequência de uma encomenda para criar algo no remodelado Castelo de Ourém.

De entre as diversas histórias apresentadas, estava o caso de Mécia Lopez de Haro, a polémica mulher de Sancho II – era viúva quando casaram – que terá sido raptada em Coimbra e mantida cativa em Ourém, afastada do rei, para não gerar descendência.

Essa história, “controversa e desconhecida”, intrigou o dramaturgo: “Pensei logo que podia ser o ponto de partida para um texto meu e para uma experiência sonora e imersiva na torre, que falasse dessa mulher que foi muito maltratada pela história”.

Iniciou uma investigação histórica – “a Wikipédia só diz mentiras sobre D. Mécia” – e, com “uma equipa muito pequenina”, A Turma criou “todo um universo”, com música original e sonoplastia minuciosa, para convidar à “imersão na intimidade” de Mécia, “sozinha na torre, após muitos meses de solidão, e psicologicamente afetada”.

Remetendo para a véspera da libertação da rainha, “vai-se acompanhando esse dia de Mécia, num monólogo interior – e nunca mais ninguém a vem para levar”, descreveu o dramaturgo, que pensou a peça enquanto “um filme sonoro em que o lugar em que o público está a presenciar a experiência é o cenário da ação”.

Tiago Correia procura colocar o ouvinte no papel da personagem, não só imaginando a história a acontecer na hoje denominada Torre D. Mécia, mas também decidindo o que faria no lugar da rainha.

“O que é que vale mais? Mantermo-nos fiéis a um amor ou a nossa liberdade?”, interrogou o autor.

A peça de teatro sonoro sugere “uma relação poética com a experiência do percurso” e “traz também essa poesia ao próprio espaço”.

“É uma experiência muito intimista e, durante aqueles 40 minutos, a vida fica lá fora”.

Cruzando a história de Mécia com a hierarquia do xadrez e a evolução das regras do jogo – sobretudo o surgimento da rainha ao lado do rei enquanto afirmação da mulher na sociedade e no ecossistema político -, Tiago Correia procura abordar “preocupações atuais”.

A par da desigualdade de género, evoca “todas as pessoas que têm de sair do seu país, porque o seu país está em guerra”, o que também aconteceu com a rainha consorte, leonesa de nascença, que teve de sair de um Portugal agitado pela guerra civil.

“Ela tentou sempre, até ao fim, manter a dignidade enquanto rainha. Ela é sepultada em Espanha e no túmulo pode-se ler-se ‘Rainha de Portugal’”, concluiu o dramaturgo.

A estreia de “A partida de Mécia” em Ourém é no sábado, a partir das 14:30, com a presença do autor, da atriz Maria João Luís e da restante equipa que criou a peça.

Durante todo o verão, o teatro sonoro fica disponível para o público, sob marcação (pelo e-mail museu@mail.cm-ourem.pt), em sessões limitadas a quatro pessoas que, explicou Tiago Correia, “se sentam nos banquinhos de pedra, no interior da torre onde D. Mécia terá estado presa”.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados