21 Maio, 2024

Pyongyang condena discurso do Presidente sul-coreano sobre aproximação a Moscovo

A Coreia do Norte acusou hoje o Presidente sul-coreano, Yoon Suk-yeol, de "difamar maliciosamente as relações" entre Pyongyang e Moscovo, no discurso que proferiu perante a Assembleia Geral da ONU.

© DR

“Foi simplesmente o cúmulo da ironia que o fantoche, desprovido de conhecimentos políticos elementares e de senso comum no que diz respeito às relações internacionais, se tenha comportado de forma grosseira, agindo de bom grado como um servil trompetista e altifalante dos Estados Unidos”, de acordo com um artigo divulgado pela agência noticiosa estatal KCNA.

No discurso na ONU, Yoon afirmou que um acordo de armas entre os dois países seria uma “grave provocação”.

“Yoon considerou as tradicionais relações de amizade e cooperação entre a RPDC [República Popular Democrática da Coreia, nome oficial do país] e a Rússia como uma ‘provocação direta à segurança e à paz’ na região fantoche sul-coreana e como um ‘grave desafio à paz regional e mundial’, afirmando que ‘Seul e os aliados não ficariam de braços cruzados'”, acrescentou.

O artigo insistiu depois na alegada falta de experiência política do Presidente sul-coreano, que antes era procurador-geral, no agravamento do clima regional através do aumento das operações militares com Washington, na falta de clareza nos assuntos diplomáticos e por “só reconhecer as relações entre Estados como uma dicotomia entre amigo e inimigo”.

“A política externa da RPDC, que tem como objetivo estabelecer uma nova ordem mundial justa e equitativa para a causa da independência humana, não estará ligada a nada e as relações de amizade e cooperação com os vizinhos próximos vão continuar a ser reforçadas”, concluiu o texto.

O discurso de Yoon na ONU foi uma resposta à recente cimeira entre o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o Presidente russo, Vladimir Putin, no cosmódromo de Vostochny, na região de Amur. No final do encontro, Putin afirmou que há espaço para a cooperação militar e espacial entre os dois países.

Durante a visita de uma semana, Kim inspecionou o cosmódromo, uma fábrica de aviões militares e civis e de navios para a frota russa do Pacífico. Dias antes, meios de comunicação social norte-americanos afirmaram que Kim estava disposto a apoiar a guerra de Moscovo na Ucrânia com milhões de mísseis antitanque e munições de artilharia.

De acordo com estas notícias, Pyongyang iria receber em troca ajuda alimentar e tecnologia de satélites e submarinos nucleares.

Seul, Tóquio e Washington alertaram que um possível acordo entre a Coreia do Norte e a Rússia iria violar as sanções do Conselho de Segurança da ONU contra Pyongyang, com consequências para os dois países.

Entretanto, a Coreia do Sul e os Estados Unidos iniciaram hoje três dias de manobras militares em resposta à recente escalada retórica e militar da Coreia do Norte.

Nove navios de guerra, dois aviões de patrulha, dois submarinos sul-coreanos, o contratorpedeiro ROKS Yulgok Yi I, o contratorpedeiro USS Shoup e o cruzador USS Robert Smalls participam nestes exercícios, informou a agência de notícias sul-coreana Yonhap.

O aumento das tensões na península coreana tem sido causado tanto pelos constantes lançamentos de mísseis e ameaças de Pyongyang, como pelos exercícios militares entre Washington e Seul.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados