26 Fevereiro, 2024

Política Indigente

Na sequência das eleições Autárquicas de 2021, o CHEGA tornou-se o fiel da balança na União de Freguesias de Carcavelos e Parede tendo em conta que conquistou 1 lugar de deputado ladeado pelos 9 eleitos da Coligação PSD/CDS e por outros tantos elementos eleitos pelos partidos da oposição de Esquerda (PS, PAN, LIVRE, PCP, BE e IL).

E logo veio um emissário – o deputado único da Iniciativa Liberal – falar com o CHEGA para conseguir o apoio que colocaria na Mesa da Assembleia de Freguesia elementos daquela recém-formada supergeringonça e à IL calharia um lugar, tudo em nome da luta contra o totalitarismo da maioria PSD/CDS.

Claro que ficou a saber ao que vínhamos porque connosco a Esquerda não passa, e não passou; e a IL ficou sem o lugar que pretendia e amuou.

Inconformados e rancorosos, desde esse momento que atacam furiosamente o CHEGA Cascais porque, para além de tudo, sabem que fazemos mais e melhor do que eles.

A IL em Cascais já se tinha revelado pouco séria, muito amadora e bastante radical, mas o que eu não sabia é até que ponto o eram…

Daquilo que os tenho visto fazer, revelam também uma inegável desonestidade (ou incapacidade) intelectual e basta olhar para os textos que publicam nas suas pobres redes sociais para se perceber do que falo. Andam sempre atrás de temas e causas populistas para tentarem ficar bem na fotografia, mas sai-lhes invariavelmente o tiro pela culatra porque estão tudo menos preparados. Não estudam e não sabem do que falam.

Depois, nos lugares onde têm assento, e que totalizam 3 no concelho inteiro, normalmente votam contra tudo e contra todos sem qualquer justificação racional. Devem pensar que ser oposição se resume a votar contra e, por isso, nada de bom acrescentam à vida dos cascalenses. Uma tristeza, mas é a IL a ser a IL.

Por fim, acham que vale tudo para atingir os seus concorrentes políticos a quem tratam como inimigos e cujo episódio das setas espetadas numa imagem com a cara do Presidente da Câmara Municipal Carlos Carreiras revela o seu nível de anormalidade.

Por outro lado, o CHEGA em Cascais optou por uma estratégia completamente diferente: Sabíamos que a nossa experiência autárquica era inexistente e preferimos, em primeiro lugar, estudar, aprender e analisar para depois começar a actuar. Assumimos sem complexos, com humildade e honestidade, as nossas limitações iniciais e não fomos atrás da fácil “conversa de café”. O que fazemos é sempre alicerçado no conhecimento, sem populismos ou demagogias. Somos, por isso, diferentes da IL.

Quando chamados a decidir sobre determinado sentido de voto, primeiro instruímo-nos, depois avaliamos as implicações e, como queremos o melhor para a população, acabamos por apoiar muitas das propostas emanadas pelos executivos PSD/CDS. Se faríamos melhores propostas? Algumas vezes sim, outras talvez não. A verdade é que nunca deixamos de votar favoravelmente só porque as iniciativas não são da nossa autoria. Em sentido inverso, também

votamos contra, e até com voto de vencido, se assim o caso o justificar. E este equilíbrio e sensatez tem granjeado os seus frutos pela reciprocidade que obtemos quando vemos as nossas propostas aprovadas por outras forças políticas, das quais eu destaco a implementação de um sistema ISO anticorrupção e, mais recentemente, a diminuição de 5% do IRS que as famílias cascalenses até ao 6.o escalão irão beneficiar em 2024. É isto que é fazer política. Temos o bem-estar da população como o nosso principal desígnio. Somos, por isso, diferentes da IL.

Finalmente, em relação ao respeito que temos pelo próximo: Somos duros? Sim. Somos exigentes? Claro. Queremos o melhor para os cascalenses? Com certeza. Agora, o que não fazemos é atribuir culpas colectivas. Partimos do princípio de que as pessoas são honestas e agem com boa-fé, mas estamos atentos aos desvios e quando é preciso apontar o dedo para comportamentos incorrectos, menos formais ou mesmo ilegais também estamos cá para isso.

Somos, por isso, manifestamente diferentes da IL. Somos CHEGA!

Folha Nacional

Folha Nacional

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados