22 Junho, 2024

Zelensky saúda autorização dos EUA para utilização de armamento em território russo

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, classificou hoje como “um passo em frente” a decisão de Washington de autorizar Kiev a usar armamento proveniente dos Estados Unidos da América (EUA) para atingir determinados territórios russos perto da fronteira.

© Facebook de Volodymyr Zelensky

 

“É um passo em frente em direção ao objetivo de que falamos previamente, vai permitir-nos defender as pessoas que vivem nas localidades ao longo da linha de fronteira”, disse Zelensky durante uma conferência de imprensa conjunta com os líderes dos países nórdicos em Estocolmo (Suécia), confirmando ter sido informado da decisão norte-americana.

Nas mesmas declarações, Zelensky também se referiu à necessidade de a Ucrânia terminar com a hegemonia aérea russa e voltou a pedir mais sistemas de defesa antiaérea, um número suficiente de aviões de combate F-16 e equipamentos para neutralizar os ataques inimigos na origem, atingindo alvos dentro da Rússia.

O líder ucraniano disse não poder revelar mais detalhes sobre as condições em que os EUA irão permitir à Ucrânia atacar território russo com as armas que estão a receber.

Fontes da administração norte-americana citadas pela agência noticiosa espanhola EFE indicaram que a Casa Branca (presidência) deu autorização à Ucrânia para atacar objetivos militares situados em território da Federação Russa e que o Exército russo utiliza para atacar a região de Kharkiv, noroeste da Ucrânia e perto da fronteira comum.

Em meados de maio, as forças russas abriram uma nova frente de combate na região de Kharkiv com uma ofensiva desencadeada a partir do lado russo da fronteira, e com ataques à capital regional de Kharkiv – a segunda maior cidade da Ucrânia – com mísseis, artilharia e ataques aéreos por aparelhos que não entram no espaço aéreo ucraniano.

Moscovo justificou esta ação pela necessidade de estabelecer uma “zona tampão” junto à sua fronteira que evitasse os frequentes ataques ucranianos ao seu território, em particular na região de Belgorod, com um balanço de dezenas de mortos civis.

Os EUA e a maioria dos aliados ocidentais da Ucrânia impediam até ao momento Kiev de utilizar o armamento que fornecem para atacar território russo devido ao receio de represálias de Moscovo. No entanto, e nas últimas semanas, mais de uma dezena de países já aboliram esta restrição, total ou parcialmente.

Ao ser questionado sobre a eventualidade de os aviões de combate F-16 que a Ucrânia deverá começar a receber este ano serem utilizados para atacar os aviões russos que lançam bombas sem entrar no espaço aéreo ucraniano, Zelensky disse que esta questão ainda não foi decidida.

A Ucrânia tem garantido uma substancial ajuda financeira e armamento dos aliados ocidentais desde que a Rússia invadiu o país, em 24 de fevereiro de 2022.

Os aliados de Kiev também têm decretado sanções contra setores-chave da economia russa para tentar diminuir a capacidade de Moscovo de financiar o esforço de guerra na Ucrânia.

Já no terceiro ano de guerra, as Forças Armadas ucranianas têm-se confrontado com falta de armamento e munições, apesar das reiteradas promessas de ajuda dos aliados ocidentais.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados