17 Julho, 2024

«A Polémica Seita do Pineal e o doentio Estado da Nação»

Seguidamente, exponho esta questão, absolutamente absurda e ridícula.

 Queridos leitores, mais uma vez vos vou pôr a par de um assunto deveras ridículo, que vou passar a citar e a descrever. 

Não poderia deixar passar sem vos elucidar, do seguinte: 

«A polémica Seita de Pineal em Oliveira do hospital». Seita essa patriarcal, que deixa muitas dúvidas nos direitos e deveres, a serem cumpridos e exigidos numa sociedade de direito como é o caso da Nação Portuguesa. 

Como é que os nossos governantes, responsáveis de uma Nação, deixam que nasçam em Portugal, este tipo de Seitas? Em que acham e vociferam à boca cheia, que não são uma ameaça? Achando que podem exigir ao querer, assim, que os deixem viver em paz?

E ainda têm, a distinta lata e desfaçatez de dizer, que se alguém exigir com que eles cumpram as leis e regras, que dizem respeito à Nação Portuguesa, são pessoas insensatas e racistas?!

Meu Deus! Mas está tudo louco?

Tenho a impressão de que o governo Português, devia apostar mais em hospitais psiquiátricos, pois vão ser bem precisos daqui para a frente. 

Pois em Portugal está-se a assistir a um índice de loucura deveras elevado e bastante grave, em que muita, mas mesmo muita gentinha, adquiriu o mau hábito, em achar que pode fazer e dizer o que quer.

Isto é caso para internamento coletivo, com direito a colete de forças!

Para esclarecimento desta Seita, estas pessoas em causa a quem vocês se dirigem e referem, com atrevimento, sem vergonha na cara e de forma caluniosa, são pessoas com cargos políticos, que merecem todo o respeito ao ocuparem esses mesmos cargos de chefia. Cargos esses, meus senhores, da Seita e para vossa informação, são cargos muito importantes que são ocupados por pessoas com idoneidade e importância na chefia do nosso sistema político, pois para vossa informação, estamos a falar com muita honra de Presidentes de câmaras e Presidentes de Juntas de Freguesias. Que vocês Seita Iluminada, apelidam de «Racistas». 

E, ainda, para vossa informação, senhores da Seita, agradeço que fiquem devidamente informados de que as populações que vivem à vossa volta, estão habituados a viver tranquilamente com os seus hábitos e costumes e que têm todo o seu direito, em reivindicá-los, pois estão na localidade deles e não estão habituados de todo, a certas excentricidades que os senhores têm e que teimam em levarem a cabo. A comunidade populacional, ao vosso redor, gosta e está habituada a viver em paz e sossego sem terem medo e desconforto de se deslocarem na própria localidade onde vivem e onde nasceram. Vocês é que são os intrusos, e muito estranhos por sinal.

Para as populações este tipo de comportamentos e desvarios a que vocês estão habituados é para eles uma grande afronta e desfaçatez.

Vocês, enquanto Seita não têm o direito em reivindicar nada que saia dos tramites legais e normais de uma sociedade de direito, como a nossa.  Teimam vocês, em fugir, assim, aos padrões que se dizem normais de uma sociedade civilizada onde existem regras de conduta que devem ser seguidas e regidas pelo respeito nessa mesma sociedade de direito.

Que grande lata e atrevimento que vocês, Seita têm.

Mas o que é isto? Mas está tudo louco?

Querem agradecer ao povo Português?

Ponham-se a milhas que já nos fazem um grande favor! 

Arranjem a tal Ilha para viverem….

Mas peço encarecidamente que deixem as ilhas dos Açores em paz.

Tenho a certeza que eles não vos aceitariam lá.

 Que Seita é esta? Que diz com uma distinta lata e atrevimento, ao proferir à boca cheia, que agradece à Constituição Portuguesa?! E que, acrescenta, ainda, não satisfeitos, que os nossos governantes permitem, que eles possam exercer legalmente os direitos à autodeterminação?

Mas o que é isto?

Enlouqueceram?

  Apelidam-se de nómadas viajantes! Com uma vocação espiritual! E de que atualmente, afirmam-se a viver na Soberania da Nossa Nação?  Não tendo eles, o devido respeito pela nossa Nação?! São nómadas viajantes, com uma vocação espiritual, atualmente a viver na embaixada da Soberania portuguesa?

 Enlouqueceram todos?

 É caso para se dizer:

Se os nossos governantes estão a par deste absurdo e loucura toda, definitivamente em Portugal alguma coisa está muito errada. Mesmo muito errada.

Mas para mal dos nossos pecados, esta Seita, ainda, têm a distinta lata e desfaçatez, de dizer que é legal estas vivências? E que respeitam os costumes de Portugal? Mas eles enlouqueceram de vez? 

Exmos. Senhores da Seita. Aqui ninguém vos persegue vocês é que têm o dever de respeitar a Nação Portuguesa que vos recebeu. Logo aí têm que aceitar as regras impostas, por esta mesma Constituição e não ao contrário daquilo que vocês querem impor aos portugueses. 

Para vossa informação a morte desta criança é um desrespeito muito grande para com a nossa sociedade e cultura portuguesa. 

Como é que os exmos. Senhores arranjaram maneira, coragem e atrevimento em desafiar a Nação Portuguesa, ao viverem contra a vontade do Estado Português em construções ilegais?

Devo elucidar estas personagens deveras bizarras da Seita em questão, que não têm razão nenhuma nem condições morais para exigirem seja o que for! Muito menos que o Estado português aceite, construções ilegais, festas, trafico de drogas e eventuais burlas com donativos de membros da comunidade.

Informo ainda estes senhores de que este estado de coisas tão polémicas e absurdas não são de todo aceites na Nação Portuguesa. Nação essa, onde existem regras de conduta devidamente firmadas e igualmente, tramites legais que deverão ser seguidos e cumpridos na integra. 

A Vossa autonomia, como vocês designam vale 0%, na nossa sociedade.

Já nem nos admiramos da vossa eventual e esquisita saída do Reino Unido!

Foram expulsos por alguma razão?!! 

Se o intuito destes senhores é de continuar a crescer e evoluir como eles dizem, até alcançarem os seus objetivos, devo acrescentar, que ainda, têm que comer muito sal e estudar muito, mesmo muito, senão não chegam a obter os resultados desejados.

A Constituição Portuguesa é Soberana em decidir sobre os direitos que a comunidade da Seita tem, pois existem bastantes falhas gravíssimas, na sua conduta enquanto comunidade. Falhas essas que levam a que esta comunidade seja posta em causa e que seja palco de duras críticas por parte da Constituição Portuguesa.

E salvaguardo já, de que a nossa Constituição tem toda a razão.

Exmos. Senhores não faz parte da Constituição Portuguesa a prática levada a cabo por vocês em rituais abusivos, perversos em que manipulam as pessoas a deixarem os seus trabalhos e bens, em prol das exigências desta dita comunidade.  Esta Seita, quer e exige que as pessoas estejam desta forma desvinculadas da vida exterior? Enlouqueceram? Só pode.

Devo elucidar os nossos leitores de que estes senhores não contentes com isto tudo, ainda, se descrevem como «nação autónoma e soberana», em que, homens e mulheres para que possam viver numa confiança mútua, têm que deste modo, protegerem e preservarem as suas vivências para que tenham, obrigatoriamente, que aceitar as regras da Seita.

Que grande lata, meus senhores, da Seita!

Vocês estando já em Portugal, para vossa informação, têm que informar devidamente os serviços (SEF) e devem, obviamente, estar devidamente inseridos e documentados para que os respetivos serviços que fazem parte desta orgânica da imigração, possam tomar as devidas medidas. Estes serviços devem estar a par das deslocações dentro do território Português de pessoas estranhas no território Nacional. Convém que o país Portugal, saiba que vocês existem e que habitam em Portugal.  Toda esta orgânica é normal e faz parte das exigências que são normais, que dizem respeito a uma Nação que neste caso é a Portuguesa e que pertence a União Europeia.

Exmos. Senhores, para vosso conhecimento e informação vocês impuseram-se de forma incorreta ao ocuparem de forma atrevida, um pedacinho de terra que faz parte de um território, alheio aos exmos. Senhores, património, esse, que é Português.

Já se aperceberam disso?

Ou precisam que se faça um desenho/croqui?

Outra questão que não é menos importante.

Como é que a vossa ignorância é tão atrevida? ao chegar ao ponto de ultrapassar tanto, os limites da razoabilidade! Como é que se atrevem ao ponto, de até colocarem em causa, dados da Ciência e da História ao duvidarem da chegada à Lua pelos homens e da crença que defende que o sol gira à volta da terra?  Santa ignorância.

Isto é de uma desfaçatez e de uma ignorância extrema.

Agora temos que fazer a seguinte pergunta.

Como é que Portugal recebeu este ser atrevido armado em esperto, que deixou o Reino Unido para vir para Portugal, vociferar impropérios?

Quem é que teve a distinta lata de deixar entrar no nosso país, este ser que se sente à vontade para vociferar o que quer e o que lhe dá na real gana? 

Chega. Os Portugueses estão fartos que lhes imponham situações tão absurdas quanto esta. Chega! Chega! Chega!

A Constituição Portuguesa rege-se pela integridade, respeito e sensatez nos atos que pratica, como qualquer país que se diz civilizado.

Não venham agora estes seres iluminados, quererem mudar as regras de um país secular. Tenham vergonha na cara.

 Perceberam? Ou querem que vos repita?

Nós não temos culpa das vossas loucuras e desvarios. Tenham dó.

Já chega de tanta loucura em Portugal.

Para juntar ao ramalhete dos disparates praticados na Nação Portuguesa, só nos faltava agora uma Seita desta natureza e o inexplicável desaparecimento dos peregrinos de Cabo Verde e Angola. Era só o que nos faltava!

Ponham-se a milhas que já se faz tarde.

Desapareçam, que nós agradecemos.

Como veem caríssimos leitores, estes exemplares raros que vêm parar a Portugal, são os cartões postais de visita vergonhosos do nosso Portugal atual. Representam a imundice que se gerou no nosso país, de há uns tempos atrás a esta parte, até aos dias de hoje.  Estas gentes, infelizmente, são a montra do disparate e do caos gerados por certas pessoas, que colocam Portugal numa situação deveras melindrosa e muito mal visto aos olhos e ouvidos de outros países deveras civilizados. Constatamos, isso, com muita frequência, destes abusos, ao lidarmos e ao termos conhecimento, das más práticas de conduta na política de emigração que são deveras erráticas, levadas a cabo, teimosamente por Portugal, cuja política suja, põe em causa o bom nome do nosso país.  Os Países Nórdicos, onde impera a ordem, ficam incrédulos a assistir a tanto disparate levado a cabo pela nossa política desastrosa. Desta forma e com razão, olham para Portugal com desdém, pois sabem que isto se tornou numa autêntica Républica das bananas.

 E os nossos governantes!? Será que ainda, querem e esperam ser respeitados, pelos outros países devidamente civilizados? Com este tipo de governação? Impossível.

 E está claro que não são. Impossível de acontecer. E além do mais ficam muito mal colocados aos olhos dos outros países da União Europeia que têm regras rígidas e acertadas em relação às políticas da imigração.

Esses países, começam a constatar esta realidade, pois estão a receber gentalha, que fazem parte das pessoas que entram em Portugal de qualquer maneira, através de traficantes que fazem do tráfico humano um negócio. Estando, assim, Portugal a pactuar com isto tudo, pávido e sereno. 

Aos olhos destes países civilizados nórdicos, Portugal fica muito mal visto ao deixar que se pratique esta emigração vergonhosa, sem regras de segurança e sem as devidas medidas de controlo efetivo e necessário, que recorram como deve ser, a regras rigorosas de controlo nas Fronteiras Portuguesas.

Por falar nisso…. Mais um caso deverasmente caricato, absurdo e incrédulo, de que não vou deixar de acrescentar e enumerar.

Tornou-se Portugal, no País do vale tudo.

Por isso os abusos continuam, pois, o politicamente correto é o que prevalece.

Então vamos lá: 

Um aglomerado de seres vivos, deu-se ao luxo, ao saberem que existiria em Portugal a Jornada da Juventude em que a visita do Papa (Santo Padre) a Portugal, seria um evento único. Tornando-se ,deste modo, o centro das atenções dos jovens e que implicaria que todo o mundo viesse a Portugal para se encontrar com ele.

Pois aí está o busílis da questão!

Todos sabemos que o governo, para se dizer a verdade, nada faz nestes momentos cruciais em relação à segurança efetiva de quem entra e quem sai, dentro dos moldes normais em prol da segurança de um país.

O governo tenta de algum modo fazer alguma coisinha… Mas não consegue. 

Bem tentam que haja um controlo mais assertivo nas fronteiras, mas nem sempre dá certo.

Mais uma vez constatamos isso.

Grupo de jovens e adultos oriundos de Angola e Cabo Verde, mal chegaram a Portugal, colapsaram. Nem chegaram a entrar na Irmandade (Congregações) onde eram aguardados.  desapareceram dos radares da segurança do nosso País. O objetivo deles deu certo. Eles sabem que em Portugal nada se faz para que eles apareçam. São mais uns que ficam por cá a viver à custa do nosso governo e dos contribuintes portugueses, através do subsídio de reinserção. Quando resolverem aparecer, pois vieram com o intuito de uma vida melhor, o governo vai deixar que isso aconteça, pois, coitadinhos dos meninos! eles precisam de viver! Nem que sejam mais uns tantos, a viver à custa dos contribuintes Portugueses! Do tal, tão desejado subsídio! Isto é o cúmulo das vergonhas levadas a cabo por um governo desgovernado. É mais uma das manobras políticas. O politicamente correto a funcionar. 

Estando, assim, infrutiferamente o governo, mais uma vez, a gastar dinheiro dos contribuintes, ao colocarem os serviços da polícia e da imigração ao barulho, por exemplo: SEF, GNR, PSP, e muitos mais meios existentes para esse fim, desnecessariamente, à procura deles, pois só estão a fazer gastar dinheiro ao estado em vão, pois nós Portugueses já sabemos que é tudo só fogo de vista, para português ver. Porque o estado não se importa de todo, que eles cá fiquem. São mais uns tantos que ficam por aí! Sabe-se lá como!

O nosso estado como bom benemérito que é, vai deixar que permaneçam em Portugal a viver dos tais subsídios de que já foram falados.

Quem é que se lixa, com este tipo de políticas abusivas por parte do estado?!!! Quem é!? Quem é!? Somos nós contribuintes Portugueses. Isso é claro.

Será que é pedir muito aos nossos estimados governantes, para se desabituarem e deixarem de trazer de fora gente/tanta malta, improdutiva e inoportuna? 

Por Favor caríssimos governantes! Sejam decentes, coerentes e assertivos nas vossas decisões, tão absurdas e polémicas que nada trazem de vantajoso ao nosso país.

Até pelo contrário, com estas decisões tão anormais, só fazem deste país a «A Républica dos Imbecis» 

Ah! Só para terminar. Ontem fiquei a par de que afinal não foram só alguns peregrinos a desaparecerem da Jornada de Juventude. Foram centenas quase um milhar destes seres que se deram ao luxo de se passarem por peregrinos. Houve quem se aproveitasse desta jornada, para virem para Portugal, porque para todas estas comunidades abusivas que pertencem aos palops, conhecem a realidade em Portugal, em que os responsáveis máximos da Nação não conseguem combater este tipo de abusos.

À priori, sabem que em Portugal o SEF, não tem autoridade suficiente, pois os expoentes máximos da nossa Nação, retiram ao SEF a autoridade, para que o mesmo, fique limitado, para não poder combater este tipo de abusos com retidão e prontidão, que são requisitos muito importantes para combater este tipo de abusos graves. Por isso o controlo é muito limitado.

Tornando-se num regabofe para esta gentalha atrevida. Dão-se ao luxo de atrevidamente de entrarem sem serem convidados, vêm mesmo à procura de serem sustentados por um governo, desgovernado. Dão-se ao luxo de ficarem cá, pois já sabem que ninguém os agarra e passado uns tempos já estão a exigir o tal subsídio de reinserção.   

É caso para se dizer o seguinte:

«A latente e crescente ameaça da Sociedade dos Inúteis e imprestáveis.»

Folha Nacional

Folha Nacional

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Receba o Folha Nacional no seu e-mail

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados