13 Junho, 2024

Escritor Salman Rushdie alerta que liberdade de expressão está em risco

O escritor Salman Rushdie alertou hoje que a liberdade de expressão está em risco e apelou para a sua defesa incondicional ao receber um prémio alemão em reconhecimento do seu trabalho literário e determinação face ao perigo constante.

Facebook / Salman Rushdie

O autor anglo-americano condenou a época atual como tempos em que a liberdade de expressão está sob ataque por todos os lados, inclusive por vozes autoritárias e populistas, segundo a agência de notícias alemã DPA.

Rushdie fez seus comentários durante uma cerimónia na Igreja de São Paulo, em Frankfurt, onde foi homenageado com o Prémio da Paz do Comércio Livreiro Alemão por continuar a escrever, apesar de suportar décadas de ameaças e violência.

O prémio alemão, dotado de 25.000 euros, é atribuído desde 1950.

O júri disse no início deste ano que iria homenagear Rushdie “pela sua determinação, pela sua atitude positiva perante a vida e pelo facto de enriquecer o mundo com seu prazer em narrar”.

Em agosto de 2022, o escritor foi esfaqueado repetidamente enquanto estava no palco de um festival literário no estado de Nova Iorque, nos Estados Unidos e vai publicar no próximo ano um livro de memórias sobre o ataque que o deixou cego do olho direito e com a mão esquerda afetada.

“Knife: Meditations After an Attempted Murder (Faca: Meditações após uma tentativa de assassínio)” será lançado em 16 de abril, numa obra que o autor definiu como uma forma de “responder à violência com arte”.

“Este foi um livro que tive de escrever, foi uma forma de assumir o controlo do que aconteceu e de responder à violência com arte”, afirmou Salman Rushdie, citado pelo comunicado da editora, divulgado este mês em Nova Iorque.

“Não é o livro mais fácil de escrever”, afirmou Rushdie em junho passado, citado jornal britânico The Times. “É algo que preciso de fazer para superar [o incidente] e poder avançar para outras coisas. Não posso realmente começar a escrever um romance que não tenha nada a ver com estes factos. Portanto, tenho de lidar com eles.”

O ataque ocorreu mais de 30 anos depois de Rushdie ter sido alvo de uma ‘fatwa’ (sentença de morte), decretada pelo antigo líder religioso iraniano ayatollah Khomeini, em 1989, na sequência da publicação do seu quarto romance, “Os Versículos Satânicos”, uma ficção inspirada na vida do profeta Maomé que lhe valeu o Prémio Whitbread e um lugar entre os finalistas do Prémio Booker desse ano.

Rushdie viveu a década seguinte sob proteção, escondido, experiência que também levou para o livro de memórias “Joseph Anton”, de 2012.

O escritor é autor de “Os Filhos da Meia-Noite”, romance que lhe deu o Prémio Booker em 1981, o Booker dos Bookers, em 1993 e, em 2008, a distinção de Melhor do Booker.

O seu romance mais recente, “Cidade da Vitória”, concluído um mês antes do ataque, chegou às livrarias portuguesas em setembro, cinco meses depois do livro de ensaios “Linguagens da Verdade”, ambos com a chancela da Dom Quixote, que publica o autor em Portugal.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados