26 Fevereiro, 2024

Crime! Disse ela. Corruptos!!! Digo eu.

Como chegámos aqui??

Passo primeiro uma das notícias nacionais que mais me chocou nos últimos tempos: 

“Só desde 2017, foram, pelo menos, 191 os políticos e detentores de cargos públicos em Portugal que acabaram constituídos arguidos ou acusados pela Justiça. Do total, 133 foram autarcas, 33 deputados e 25 membros de governos. Entre estes últimos há um primeiro-ministro, 11 ministros e 13 secretários de Estado. A lista, com os 191 nomes, diz respeito a casos em que foram constituídos arguidos ou acusados de qualquer crime entre 2017 e 2023. Estes 191 nomes – que incluem acusados, processos em julgamento, casos arquivados e arguidos que aguardam acusação – envolvem na sua maioria crimes de corrupção, peculato e recebimento indevido de vantagem. E é entre o PS e PSD, partidos que têm alternado no poder nos últimos anos, que há mais políticos a braços com a Justiça.”

Mas o que é isto?? Ninguém se espanta? ninguém se importa? Será que já se tornou endémico? será que por ser tão banal já ninguém se choca ?? e nós? ficamos impávidos e serenos? deixamos passar ? Claro que não! pelo menos o CHEGA pela nossa bancada tem alertado para este “cancro societal”. Pelo menos o CHEGA disse “BASTA”. Com o CHEGA não passarão. 

Com isto não entendo como pelo menos 90% da nossa votante população ainda não vota no Chega…

Senhores há mais algum partido que tenha falado sistematicamente neste tema? Há? Quem?? Há mais algum partido que tenha já definido as medidas a aplicar para estancar esta sangria? Há? Não conheço e eu estou muito atento a este fenómeno pois também já senti na pele aquela corrupçãozinha para se “agilizar” processos, “por o meu à frente dos outros”, “despachar com mais “eficiência”, enfim, quantas vezes vi isto nos meus negócios, 

Voltando à notícia da CNN que passou muito despercebida: “Os cargos políticos ao nível das concelhias, das câmaras e dos governos, são atribuídos em função da lealdade pessoal, e não da lealdade a um programa político”, diz, denunciando que há “uma cultura de prestação de favores na política”. Ou seja, aponta: “Os políticos rodeiam-se dos seus amigos nos cargos públicos” e isso, garante ainda a especialista, “leva à criação de uma teia de relações que encobre as ilicitudes praticadas no exercício do poder”. É preciso uma limpeza. Já. Expulsar essa corja de lagartos que se trocam e vendem por uns poucos vinténs. Expulsar sem apelo nem agravo esses “vendilhões” do Templo Sagrado que é o Serviço Público Nacional.

Triplicámos os apoios aos serviços públicos e ninguém, mesmo ninguém, vê qualquer progresso ou melhoria. Mas vemos as filas nos hospitais, as listas de espera de meses e anos, crianças a serem atendidas de urgência por uma ambulância do INEM e no chão da entrada das urgências de um hospital. Mas ninguém se choca!?!? Nenhum jornalista com a mínima dignidade chora ao dar esta notícia? mas estão todos mesmo comprados ou são só tolos? Volto ao mesmo: é crucial uma limpeza. E uma limpeza profunda. Começa nas Câmaras Municipais, depois passa para os Serviços Públicos locais, seguem-se os regionais por fim, e bem a fundo, a Administração Central. Por todas estas razões é que eu voto Partido CHEGA! pois é o único que denuncia todos estes crimes e abusos. É o único partido que diz CHEGA. É o único Partido que não tem telhados de vidro porque, simplesmente, ainda não tem telhados. Está virgem. E estando neste estado puro consegue ver melhor. Nós não temos hábitos nem vícios. Não somos poder. não andamos desde 74 a lamber, á vez, o chão da Assembleia nem a passear o traseiro nos restaurantes mais finos do Parlamento. Nós comemos sandes nas nossas secretárias, pois não há tempo para mais. Estamos ocupados a trabalhar para os portugueses e para o País. 

Caros concidadãos, quanto ais tempo quereis esperar até fazer algo? Deixai o clubismo de parte. Partidos não são clubes, embora alguns parecerem. 

Senhoras e senhores, parem, pensem, e votem pelo vosso País. Chega.

Folha Nacional

Folha Nacional

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados