12 Abril, 2024

CHEGA insiste recuperação faseada do tempo de serviço dos professores

©Folha Nacional

O presidente do CHEGA  voltou hoje a propor ao Governo que apresente aos professores um plano para uma recuperação faseada do tempo de serviço e insistiu que deve ser o primeiro-ministro a liderar as negociações.

Em declarações aos jornalistas no parlamento após uma reunião do grupo parlamentar do CHEGA com representantes da Federação Nacional dos Professores e nove sindicatos, André Ventura assinalou que a Fenprof manifestou abertura para negociar com o Governo a reposição faseada do tempo integral de serviço dos professores.

“Havendo esta abertura por parte dos sindicatos de professores, da Fenprof, e estamos convencidos que também do STOP e de outros associados, para uma recuperação faseada deste tempo de serviço, que o Governo deve avançar rapidamente e amanhã deve propor aos sindicatos e aos profissionais de educação uma proposta que vá nesse sentido”, afirmou.

O líder do CHEGA  instou o Governo a “apresentar uma calendarização com a recuperação integral do tempo de serviço que possa ir a um período de até dois, três ou quatro anos”.

“Esta é uma das grandes reivindicações que, ficámos com essa sensação, podem acabar com as greves se forem atendidas, e eu acho que o Governo tem aqui um momento ideal para o poder fazer”, defendeu.

André Ventura indicou igualmente que, caso as propostas que o Governo apresentar aos sindicatos na reunião prevista para quarta-feira “não forem satisfatórias”, o partido vai apresentar “no início da próxima semana”, no parlamento, uma iniciativa com vista à recuperação faseada do tempo de serviço dos professores.

No entanto, considerou que essa iniciativa cabe ao Governo, porque é o Ministério das Finanças que “com mais detalhe pode fazer o calendário” e determinar a “abertura e a folga financeira que há para em dois anos ou três fazer esses tais 640 milhões de euros de recuperação do tempo de serviço”.

André Ventura voltou a defender que deve ser o primeiro-ministro a liderar as negociações entre o Governo e os professores e apelou ao executivo que “não finja que negoceia, mas verdadeiramente comece a negociar”.

E pediu ainda ao Presidente da República que “não deixe cair este assunto”, uma vez que “os professores sentem-se verdadeiramente desamparados, desiludidos e sem saber sequer bem o que fazer dada a insistência do Governo na ilegalidade das várias greves que estão a ser feitas neste momento”.

“Estamos a ter problemas sérios nas escolas portuguesas, as famílias estão a ficar cada vez mais impacientes com esta situação e os próprios profissionais de educação estão a ficar cada vez mais desgastados”, alertou.

Ventura insistiu ainda que o Governo deve apresentar um orçamento retificativo “para resolver problemas na área da educação, da saúde e da administração interna”.

“É impossível, ou muito difícil, fazer uma proposta para este ano de recuperação do tempo de serviço dos professores que não implique um orçamento retificativo. É muito difícil, senão impossível, resolver os problemas de recursos humanos e do Serviço Nacional de Saúde senão com um orçamento retificativo”, defendeu.

O Ministério da Educação volta a receber as organizações sindicais do setor na quarta-feira para discutir a correção de assimetrias decorrentes do congelamento da carreira, mas os representantes dos docentes dizem ter “mais dúvidas do que expectativas”.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados