21 Maio, 2024

Kiev nega responsabilidade no ataque de ‘drones’ contra o Kremlin

© D.R.

A Presidência da Ucrânia garantiu que não teve qualquer responsabilidade no ataque de ‘drones’ contra o Kremlin, atribuído a Kiev por Moscovo.

“É claro que a Ucrânia não tem nada a ver com os ataques de ‘drones’ contra o Kremlin”, disse Mykhailo Podoliak, conselheiro do Presidente Volodymyr Zelensky.

Hoje, o Kremlin acusou a Ucrânia de tentar assassinar o Presidente russo, Vladimir Putin, num ataque com ‘drones’ que terão visado a sede da Presidência russa na noite passada.

“Tais declarações encenadas pela Rússia devem ser consideradas apenas como uma tentativa de preparar um pretexto para um grande ataque terrorista na Ucrânia”, disse Mykhailo Podoliak.

Para este assessor, o ataque, se tivesse sido comandado por Kiev – e que teria sido o primeiro desde o início da invasão russa, em fevereiro de 2022 – “não resolveria nenhum problema militar”.

“Pelo contrário, incitaria a Rússia a ações ainda mais radicais contra a nossa população civil”, argumentou Podoliak.

Para este conselheiro de Zelensky, Moscovo “tem muito medo do início das ofensivas da Ucrânia na linha de frente e está a tentar, de todas as formas, tomar a iniciativa, desviar as atenções”.

Há vários meses que a Ucrânia diz querer realizar uma grande ofensiva para recuperar as áreas ocupadas pela Rússia no sul e no leste de seu território.

Nos últimos dias, Kiev assegurou que os preparativos para esse ataque estão quase prontos.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro de 2022 pela Rússia na Ucrânia causou até agora a fuga de mais de 14,6 milhões de pessoas – 6,5 milhões de deslocados internos e mais de 8,1 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Pelo menos 18 milhões de ucranianos precisam de ajuda humanitária e 9,3 milhões necessitam de ajuda alimentar e alojamento.

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 8.709 civis mortos e 14.666 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados