12 Junho, 2024

Deco Proteste recebeu mais de 43.900 reclamações no primeiro semestre do ano

DECO

A Deco Proteste registou mais de 43.900 mil reclamações nos primeiros seis meses do ano, com as queixas relativas ao condomínio e arrendamento, segurança social, comunicações eletrónicas e serviços financeiros a liderarem os piores resultados.

De acordo com a associação de defesa do consumidor, neste primeira análise foram contabilizados todos os contactos feitos por email (31.460) e via plataforma RECLAMAR (12.448) e uma em cada quatro reclamações (11.700) dizem respeito a situações relacionadas com o imobiliário (condomínio e arrendamento), fiscalidade ou a segurança social.

Também os bens de consumo reúnem um elevado número de queixas, registando 8.112 casos entre janeiro e junho. Este setor, com um peso de 18% no total, apresenta como reclamações principais as questões relacionadas com artigos defeituosos, atrasos na entrega e problemas do exercício do direito ao arrependimento.

Na área dos bens de consumo, algumas das empresas mais referidas foram a Worten, a PT Eletrónica e a FNAC, com 770, 485 e 199 casos, respetivamente.

O setor das telecomunicações aparece no ‘top’ 3, com maior número de reclamações, com a NOS, MEO e Vodafone, entre outros operadores, a serem alvo de 5.850 queixas reportadas à Deco Proteste.

Neste setor, os problemas e falta de transparência na faturação, a velocidade da internet e as dificuldades sentidas ao querer alterar o operador são as queixas mais apontadas pelos consumidores.

No que respeita os serviços financeiros, que ocupam o 4.º lugar nos setores mais reclamados (4.088 contactos) é sobre as dificuldades sentidas na escolha e mudança de crédito, dos valores cobrado em comissões (que agora terminam) e na regularização de sinistros que os consumidores portugueses mais se queixam. Santander (107 casos), BPI (123 casos ) e Novo Banco (91 casos) são as entidades mais referenciadas.

Segundo a Deco Proteste, no setor da aviação, as reclamações (1.401) recebidas mantêm-se as mesmos, ano após ano: atrasos nos voos, cancelamentos de última hora e perda ou extravio de bagagens. A TAP lidera o número de ocorrências, com 871 casos, seguida da Easyjet (121) e Ryanair (101).

Com um peso relevante no total das reclamações apresentadas (3.547 casos, 8% do total), aparece o setor das obras e serviços e as queixas são quase sempre as mesmas: atrasos, falta de qualidade na prestação do serviço e pouca transparência nos valores praticados.

A plataforma RECLAMAR permite que os consumidores possam denunciar o que correu menos bem e pedir ajuda na resolução de situações de conflito com vendedores, distribuidores, prestadores de serviços, entidades públicas e privadas, entre outros.

A Deco Proteste é a maior e mais representativa organização portuguesa de defesa dos consumidores. Intervém em cerca de 20 grandes áreas da vida dos consumidores, com estudos, testes, análises de produtos e serviços, pareceres técnicos de especialidade e ações reivindicativas.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados