19 Abril, 2024

Associação de técnicos de emergência médica pede inquérito parlamentar ao INEM

©INEM

A Associação Nacional dos Técnicos de Emergência Médica (ANTEM) defendeu esta terça-feira um inquérito parlamentar ao INEM, alegando que as falhas no armazenamento de medicamentos são mais um dos “sucessivos eventos adversos” que se verificam no instituto.

“Insistimos na criação urgente de uma comissão parlamentar de inquérito e na suspensão imediata do conselho de direção, que, por falta de sentido de Estado, ainda não apresentou a sua demissão”, adiantou a ANTEM, em reação à auditoria interna ao Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

A auditoria, a que a Lusa teve acesso, apontou falhas no armazenamento de medicamentos e concluiu que o instituto não garante que todos os consumíveis estão dentro da validade, o que pode pôr em perigo a segurança dos doentes.

Na resposta, o INEM garantiu estas “situações pontuais” já foram ou estão a ser alvo de correção e que foram detetadas numa auditoria realizada por amostragem, que não podem generalizar-se a todo o instituto”.

Para a ANTEM, este caso é “mais um” de entre os “sucessivos eventos adversos” que “jamais poderiam ocorrer num instituto público” responsável por coordenar o funcionamento do Sistema Integrado de Emergência Médica.

“Somando todos os eventos adversos que se têm vindo a verificar, antes de qualquer medida, urge pelo afastamento do conselho de direção do INEM, que se mostra incapaz de conduzir de forma eficaz o INEM, causando danos inestimáveis ao instituto e ao seu bom nome e custando vidas ao país”, adiantou a associação.

De acordo com a ANTEM, a missão do INEM “está claramente posta em causa”, uma vez que os cuidados de emergência médica estão “subordinados aos atrasos e à má qualidade de formação”.

“Importa saber na íntegra o resultado da referida auditoria, que suspeitamos ser demolidora”, alertou ainda a associação, que deu conhecimento desta sua posição às comissões parlamentares de Saúde e de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, assim como aos grupos parlamentares.

A auditoria em causa, elaborada entre os dias 23 de maio e 07 de junho, apontou falhas no armazenamento de medicamentos e concluiu que o instituto não garante que todos os consumíveis estão dentro da validade, sublinhando igualmente que o INEM “não garante a utilização responsável e segura dos medicamentos pelos profissionais”.

Entre outras conclusões, que incluem a falta de controlo de pragas, sobretudo num dos armazéns onde são guardados consumíveis e medicação para distribuição a nível nacional, os peritos apontam o dedo à forma como os medicamentos estão guardados em alguns locais.

O documento refere também a falta de Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar (TEPH), sublinhando que “os recursos humanos são insuficientes para a prossecução dos objetivos de diferentes unidades orgânicas, tendo repercussões nos resultados dos indicadores estabelecidos”.

Na resposta enviada hoje à Lusa, o INEM diz ter “um robusto sistema de qualidade”, caracterizado pela “procura ativa e permanente de áreas e pontos de melhoria” e lembra que “desenvolve periodicamente um conjunto de auditorias internas combinadas, por amostragem, o que permite identificar as atividades e áreas em que é possível melhorar e corrigir o sistema”

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados