21 Junho, 2024

Papa pede libertação imediata de reféns do Hamas

O Papa Francisco apelou hoje para a libertação imediata dos reféns detidos pelo Hamas e manifestou-se “muito preocupado” com o cerco à Faixa de Gaza pelas forças israelitas.

© D.R.

“Peço que os reféns sejam libertados imediatamente”, disse Francisco no final da audiência geral semanal no Vaticano, citado pela agência francesa AFP.

“Quem é atacado tem o direito de se defender, mas estou muito preocupado com o cerco total em que vivem os palestinianos em Gaza, onde também há muitas vítimas inocentes”, declarou o chefe da Igreja Católica.

“Acompanho com dor e preocupação o que está a acontecer em Israel e na Palestina, com tantos mortos e feridos. Rezo pelas famílias que viram um dia de celebração transformado em um dia de luto”, afirmou.

Francisco sublinhou que “o terrorismo e o extremismo não ajudam a encontrar uma solução para o conflito entre israelitas e palestinianos, mas antes alimentam o ódio, a violência, a vingança e apenas fazem sofrer uns aos outros”.

“O Médio Oriente não precisa da guerra, mas da paz. Uma paz construída sobre a justiça, o diálogo e o valor da fraternidade”, concluiu o Papa.

Francisco acompanha constantemente o que está a acontecer em Gaza e na terça-feira conversou com o pároco da única igreja católica da região, o padre argentino Gabriel Romanelli, que atualmente está em Belém e em contacto permanente com os fiéis.

Ramanelli disse que o Papa “expressou a sua proximidade e as suas orações” diante dos graves acontecimentos na região.

“Agradecemo-lo pelo seu apelo ao cessar-fogo e contra toda a violência, todo o terrorismo e toda a guerra”, disse o pároco argentino.

O grupo islamita Hamas lançou no sábado um ataque terrestre, marítimo e aéreo sem precedentes contra Israel a partir da Faixa de Gaza, na maior escalada do conflito israelo-palestiniano em décadas.

Além de ter matado centenas de pessoas em Israel, o Hamas raptou mais de uma centena de israelitas e estrangeiros que mantém como reféns na Faixa de Gaza.

O ataque levou Israel a declarar guerra contra o grupo extremista palestiniano e a responder com bombardeamentos contra a Faixa de Gaza.

Desde então, o conflito provocou mais de 1.200 mortos do lado israelita e 950 em Gaza desde sábado, segundo dados atualizados hoje pelas duas partes.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados