15 Abril, 2024

Von der Leyen elogia em Kiev resistência após dois anos de guerra

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, elogiou hoje a “extraordinária resistência do povo ucraniano”, após a sua chegada a Kiev, dois anos depois do início da invasão russa da Ucrânia.

© Facebook/comissão europeia

 

“Em Kiev, para marcar o aniversário do segundo ano da guerra da Rússia contra a Ucrânia. E para celebrar a extraordinária resistência do povo ucraniano”, disse Von der Leyen nas redes sociais.

“Mais do que nunca, apoiamos firmemente a Ucrânia. Financeiramente, economicamente, militarmente e moralmente. Até que o país seja finalmente livre”, garantiu a líder europeia.

Aos jornalistas, Von der Leyen destacou que a UE aprovou em 01 de Fevereiro um apoio de 50 mil milhões de euros à Ucrânia.

“Também é muito importante expressar o nosso apoio moral” ao país, acrescentou.

A viagem é “uma oportunidade para discutir todos os aspetos do nosso apoio europeu à Ucrânia”, acrescentou Von der Leyen, que deverá reunir-se com o Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky.

Na sétima viagem à capital da Ucrânia desde o início da guerra, Von der Leyen foi acompanhada pelo primeiro-ministro da Bélgica, Alexander De Croo, país que preside atualmente ao Conselho da UE.

A primeira-ministra de Itália, Giorgia Meloni, e o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, também viajaram para Kiev no mesmo comboio noturno.

“A situação no campo de batalha não é boa, mas isso não significa que devamos desistir”, afirmou De Croo na véspera, na cidade polaca de Varsóvia.

O chefe do Governo belga considerou “essencial” que o apoio militar dos países da UE “continue a ser elevado”.

Volodymyr Zelensky pediu na sexta-feira aos aliados ocidentais que entreguem rapidamente novos sistemas de defesa aérea e aviões de caça e disse que os atrasos nas entregas de armas contribuíram para o fracasso da contraofensiva de Kiev no verão de 2023.

Também na sexta-feira, a UE chegou a acordo sobre o 13.º pacote de sanções contra a Rússia por causa da invasão da Ucrânia, que impõe restrições a mais 106 pessoas e 88 organizações, particularmente da área da defesa.

Na quarta-feira, Von der Leyen disse que a Comissão Europeia vai apresentar, “no início do verão” e mais tarde do que esperado, uma proposta sobre o quadro de negociações para adesão da Ucrânia à UE, o que só deverá acontecer depois das eleições europeias.

Em meados de dezembro passado, o Conselho Europeu decidiu abrir as negociações formais de adesão à UE com a Ucrânia e a Moldova, com o presidente da instituição, Charles Michel, a falar num “sinal claro de esperança” para estes países.

A Ucrânia e a Moldova têm estatuto de países candidatos à UE desde meados de 2022.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados