27 Maio, 2024

António Guterres alarmado com invasão da embaixada mexicana em Quito

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse estar alarmado com a invasão da embaixada do México em Quito pela polícia do Equador, que terminou com a detenção do antigo vice-presidente equatoriano Jorge Glas.

© Facebook da ONU

 

O português sublinhou num comunicado a importância da inviolabilidade do solo diplomático e considerou que qualquer violação “comprometeria o prosseguimento de relações internacionais normais”.

De acordo com o porta-voz Stéphane Dujarric, o secretário-geral das Nações Unidas instou o Equador e o México a demonstrarem moderação e a “resolverem as suas diferenças por meios pacíficos”.

Um grupo de agentes da polícia do Equador invadiu na sexta-feira a embaixada mexicana em Quito, onde estava refugiado Jorge Glas, horas depois do México ter concedido asilo político ao ex vice-presidente equatoriano.

Pouco depois, o Governo do Equador confirmou a detenção de Glas, alvo de um mandado de prisão por desvio de fundos públicos, e que se refugiou na embaixada mexicana em 17 de dezembro, numa decisão que agravou ainda mais as tensões entre os dois governos.

A ministra equatoriana dos Negócios Estrangeiros, Gabriela Sommerfeld, disse no sábado que o Equador tinha esgotado o diálogo com o executivo mexicano e que sabia do risco de fuga iminente de Glas.

Após a invasão da embaixada, o Presidente do México Andrés Manuel López Obrador ordenou a suspensão das relações diplomáticas com o Equador, uma medida seguida também pela Nicarágua.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros mexicano anunciou no sábado o encerramento da embaixada em Quito por tempo indeterminado, suspendendo os serviços consulares para mais de 1.600 mexicanos que vivem no Equador.

Num comunicado, a diplomacia disse que os mexicanos poderão receber assistência através da Internet ou em embaixadas de outras nações, como Chile, Colômbia e Peru.

O ministério acrescentou que um grupo de 18 pessoas, composto pelos diplomatas mexicanos e seus familiares, irá regressar hoje do Equador.

Diversos líderes latino-americanos, como os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva, do Brasil, Gustavo Petro, da Colômbia, e Gabriel Boric, do Chile, além do Governo da Argentina, já condenaram a invasão.

No sábado, também o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA condenou a invasão e instou os dois aliados de Washington a “resolverem as suas diferenças de acordo com as normas internacionais”.

A Presidente da Honduras, Xiomara Castro, que atualmente preside à Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos, convocou no sábado uma reunião da ‘troika’ do organismo para discutir a invasão, a pedido da Colômbia.

Um grupo de manifestantes protestou no sábado em frente à Embaixada do Equador na Cidade do México, cercada por agentes das forças de segurança, que colocaram cercas metálicas em torno do edifício.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados