27 Maio, 2024

André Ventura, Lucília Gago e Taylor Swift.

Eu aprecio muito a Dra. Lucília Gago e todo o trabalho da Procuradoria-Geral da República e do Ministério Público. Estão a ir atrás dos corruptos. E os mesmos estão a sentir-se desconfortáveis manifestando-se publicamente com críticas, a começar nas televisões a acabar no mais insignificante pasquim.

A procuradora-geral da república de Portugal, Lucília Gago, é a mais alta autoridade do Ministério Público português, responsável pela promoção da justiça e pela defesa da legalidade democrática. Ela lidera o Ministério Público na investigação e no processo criminal, além de representar a instituição em diversas instâncias. Não convém esquecer.

Já António Costa é um político português que tem ocupado diversos cargos políticos em Portugal destruindo por onde passa, tudo à sua volta. Costa, aquando da sua vergonhosa governação devia ter trabalhado em colaboração com a PGR para garantir o funcionamento adequado das instituições e a aplicação da lei.

O Ministério Público, chefiado pela PGR, é uma instituição independente encarregada de promover a justiça e a legalidade democrática, enquanto o governo, liderado pelo Primeiro-Ministro, é responsável pela execução das políticas públicas. Embora ambos os ramos do governo devam trabalhar em conjunto para garantir o bom funcionamento do Estado de Direito, como hoje sabemos tal nunca foi assim. Nunca é com o PS no Governo desde os tempos do Paulo Pedroso.

Durante o mandato de Joana Marques Vidal como PGR houve vários momentos de tensão entre o Ministério Público e o governo, especialmente em questões relacionadas com investigações de corrupção, criminalidade organizada e outros casos sensíveis.

Joana Marques Vidal foi amplamente elogiada por sua atuação como PGR, especialmente por sua postura independente e firme no combate à corrupção e ao crime organizado. No entanto e, como sabemos bem. “Quem se mete com o PS.…leva”.

Obrigado, Dra. Joana Marques Vidal e Dra. Lucília Gago. Senhoras de grande coragem e independência a quem Portugal deverá estar muito agradecido. A luta à corrupção é, e deverá ser sempre, uma luta sem tréguas.

E agora a Taylor Swift.

Há uma razão específica pela qual André Ventura, líder do partido Chega! deva ir ao concerto de Taylor Swift. 

A presença de André Ventura no concerto atrai um público que já o segue nas redes sociais. Prova disso são os milhões de fans que tem. Algumas pessoas podem interpretar a presença do nosso Presidente em um evento cultural desta dimensão como uma tentativa de se conectar com os seus eleitores ou demonstrar um lado mais descontraído de sua personalidade. Penso que é devido a ambas. E ambas deverão ser as razões.

Atualmente e para entendermos o nosso eleitorado temos que estar junto deles. Temos que partilhar mesa com eles e, naturalmente, eventos com eles. O André Ventura e a sua direção seguramente que não faz qualquer esforço ou sacrifício para estar. E porquê? Porque no princípio e no fim das suas prioridades é com o seu povo que o Chega quer mais estar. E isso nota-se em todos esses momentos. E esse notar tem consigo acoplado três palavra: Naturalidade, Integridade e Honestidade.

Eu como antigo publisher tomei conhecimento da profunda paixão, e dedicação, das fevrosas fãs de Justin Bieber, Jonas Brothers, Selena Gomez e Taylor Swift. Estes jovens são o futuro do nosso país. De acordo com o INE, a população residente em Portugal em 2022 era de aproximadamente 10,3 milhões de pessoas. Cerca de 14% dessa população tinha entre 14 e 19 anos, o que daria cerca de 1,53 milhão de adolescentes. E se juntarmos os dos 20 aos 25 temos mais 450 000. Assim perfazemos um total de quase 2 (dois) milhões de jovens que já votam e/ou que vão começar a votar. A estes o Partido deve estar próximo, ouvir os seus anseios e ambições, porque também as têm e são de valorizar. 

O Chega! está na moda. E por lá tem de ficar. E por 2 dois milhões de razões é que o nosso Presidente tem de ir ao Concerto da Taylor Swift.

Folha Nacional

Folha Nacional

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados