12 Abril, 2024

Batemos no fundo!

© Folha Nacional

As últimas evoluções da Comissão Parlamentar de Inquérito à TAP, não
revelaram apenas as mentiras de governantes, como uma total negligência
na gestão da coisa pública.
Que o Governo e o partido que o suporta, o PS, já tinham revelado
arrogância e um certo ‘autismo político’, típico do quero, posso e mando,
revelam agora a face mais negra da política, a mentira e a tentativa de
subverter a verdade, aplicando a velha máxima de que “uma mentira tornase verdade, quando é repetida muitas vezes”.
Esta semana assistimos aos ‘boys’ do PS defenderem o indefensável, a
acusarem comunicação de social de perseguição, a oposição à direita de
imaturidade e de falta de responsabilidade, segundo os mesmos, pela
defesa da estabilidade política e do respeito pelas instituições.
O ‘ralhete’ de Santos Silva ao CHEGA no dia 25 de Abril, apelando ao
respeito pelas instituições, em mais um incidente deste falso moralista, que
minutos depois, foi apanhado a gabar-se do sucedido perante as câmaras,
mas que ao ser exposto pelo Observador, mandou apagar as respectivas
imagens da ARTV, veio depois defender-se contrariando o que todos
puderam verificar no mesmo vídeo. Situações destas, que juntam hipocrisia
e mentiras, são o novo normal desta maioria socialista que pode tudo.
São estes políticos, quase todos com um passado comum sob o
‘estandarte’ de José Sócrates, que governam Portugal há sete anos. António
Costa e Augusto Santos Silva, são a face de uma época das mais negras da
nossa história, são também a marca da terceira bancarrota, mais uma do
PS. Por mais que tentem fazer esquecer Sócrates, a corrupção e a
impunidade são a imagem de marca socialista, que colecciona suspeitas,
casos e condenações de vários dirigentes e autarcas.
São estes os grandes defensores da democracia e da transparência que
constantemente atacam o CHEGA, e acusam este partido de populista e de
atentar contra a democracia. Enquanto tentam silenciar a única oposição ao
socialismo no Parlamento, mentem descaradamente, são negligentes na
gestão do Estado e das suas empresas, usam recursos de todos como se
fossem deles próprios e, passam inócuos como se fossem os arautos da
moral e dos bons costumes.
Quando pensamos que destes políticos já vimos tudo, eis que agora até
usam os serviços de segurança da república, para recuperarem um ‘laptop’
de um adjunto insurgente. Isto é o fim de linha.
Esta semana, assistimos ao pior que a arrogância política nos pode dar, esta
semana batemos no fundo.

Folha Nacional

Folha Nacional

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados