13 Junho, 2024

CHEGA em Pedrógão critica Governo por falhas no combate aos incêndios

© Folha Nacional

O presidente do CHEGA, acompanhado pelos deputados Pedro Pinto, Rui Paulo Sousa e Gabriel Mithá Ribeiro, assistiu, na terça-feira, à cerimónia de homenagem às vítimas mortais dos incêndios que teve lugar na zona de Pobrais, em Vila Facaia, no concelho de Pedrógão Grande.

Para André Ventura é importante “não nos esquecermos da tragédia que ceifou tantas vidas no ano de 2017”, ao mesmo tempo que “não nos podemos esquecer que há problemas sérios para resolver” no que ao ordenamento florestal e à prevenção diz respeito.

Na ótica do líder do CHEGA há vários aspetos que devem ser tidos em conta quando se pensa em delinear um “plano sério e realista” de combate aos incêndios.

Desde logo, referiu, é “fulcral dotar os bombeiros dos meios necessários para o combate às chamas”, tal como é “fundamental que a Autoridade Nacional da Proteção Civil atue em coordenação com os comandantes que conhecem os territórios”, pois um comando “excessivamente centralizado” não ajuda nem os bombeiros, nem as populações no combate aos incêndios.

Depois, continuou André Ventura, o Estado tem falhado no que às comunicações diz respeito, lembrando que ainda há zonas do país onde não há rede telefónica. “E já percebemos que não podemos ficar reféns do SIRESP, pois são conhecidas as falhas neste sistema que deixam os bombeiros no terreno sem conseguir comunicar”, acrescentou.

Nesta senda, o líder do CHEGA lembrou que o Executivo, cujo “primeiro-ministro está no poder há oito anos, não foi ainda capaz de delinear um plano de reordenamento da floresta e do território que seja exequível e adaptado à realidade”.

Para André Ventura é “importante conseguir atrair pessoas para os territórios de baixa densidade populacional”, não só para retirar pressão aos grandes centros urbanos, mas, principalmente para “devolver a vida a estes territórios”.

“Quão maior for o nível de abandono do território, maior o risco de incêndio, porque o combustível florestal cresce sem que haja qualquer controlo do mesmo”, apontou, referindo que o Estado também de cumprir o seu papel enquanto proprietário de terrenos.

“O Estado não pode multar o cidadão que não limpa os seus terrenos e depois ter os seus próprios terrenos completamente ao abandono com perigosos níveis de combustível”, rematou.

Instado a comentar o facto de só o CHEGA e o PAN estarem presentes na cerimónia, André Ventura disse apenas que “cada partido define a sua prioridade, a nossa é e sempre será os portugueses”.

A cerimónia de homenagem às vítimas dos incêndios florestais decorreu na última terça-feira e contou com a presença do CHEGA, da deputada única do PAN, Inês Sousa Real, do primeiro-ministro, do Presidente da República, bem como do bombeiro Rui Rosinha que ficou com 85% de incapacidade na sequência do incêndio de Pedrógão Grande.

Nas declarações que prestaram no local, o primeiro-ministro sublinhou que “todos temos a obrigação permanente e diária de saber que o risco [de incêndio] existe e que o devemos prevenir” até porque, vincou António Costa, “Portugal é um país particularmente exposto ao risco das alterações climáticas, o que agrava todos os anos o risco de incêndios”.

Já o Presidente da República encerrou a cerimónia sugerindo que, no próximo ano, o Dia de Portugal (10 de junho) fosse celebrado em Pedrógão Grande. “Tenho a certeza que o Governo me acompanhará nisso, penso que é preciso dar mais um sinal de vida”, concluiu.

200 caracteres

“O Estado não pode multar o cidadão comum que não limpa os seus terrenos e depois ter os seus próprios terrenos completamente ao abandono, sem serem limpos e com perigosos níveis de combustível”

 

Folha Nacional

Folha Nacional

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados