24 Abril, 2024

Polónia defende criação de “via livre” para a adesão da Ucrânia

©facebook/andrzejduda

O Presidente da Polónia, Andrzej Duda, disse hoje em Vilnius esperar decisões que estabeleçam uma “via livre” para a adesão da Ucrânia à Aliança Atlântica, em declarações à chegada da cimeira da NATO que arrancou na capital lituana.

Duda disse ainda estar convencido de que a cimeira que decorre hoje e quarta-feira em Vilnius vai ser um “encontro efetivo e decisivo” com decisões sobre a Ucrânia e sobre o flanco leste.

O líder polaco também saudou “com satisfação” os passos dados para a futura aprovação da adesão da Suécia à NATO, “que sempre fez parte da Europa”.

Por outro lado, o chefe de Estado polaco disse que a cimeira vai ainda abordar questões como a relocalização de armas nucleares e a presença dos mercenários do Grupo Wagner no território da Bielorrússia, um reconhecido aliado de Moscovo.

Ainda sobre a invasão russa da Ucrânia, iniciada em fevereiro de 2022, o Presidente da Polónia reiterou a defesa “da retirada da Rússia de todos os territórios (ucranianos) ocupados e da intervenção do Direito Internacional”.

Sendo um dos países mais afetados pelos efeitos da guerra na Ucrânia (com o qual faz fronteira), Andrzej Duda referiu-se às despesas militares que a Polónia tem assumido e justificou tais decisões com a proximidade com o território ucraniano.

“Como vizinhos da Ucrânia (…) sabemos que é crucial fazer o que fazemos”, afirmou.

O jornal polaco Pulz Biznesu publicou hoje informações que indicam que um dos gabinetes do Fundo de Inovação da Aliança Atlântica, cuja criação vai ser anunciada durante a cimeira, vai ficar sediado em Varsóvia.

A notícia ainda não foi confirmada oficialmente.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados