21 Junho, 2024

O Barreiro cercado!

O concelho do Barreiro, uma região outrora florescente e densamente habitada, enfrenta agora um declínio preocupante. Ao longo dos anos, o Barreiro passou por um crescimento exponencial, originando-se de uma pequena vila de pescadores, atingiu seu auge com a criação do maior centro industrial do país. Contudo, nos dias atuais, o Barreiro está a enfrentar um declínio preocupante. É o único concelho do distrito de Setúbal que registou uma diminuição na sua população, de acordo com os últimos censos.
O Barreiro, que já foi o centro do distrito, agora está a ser negligenciado
com ligações limitadas com o restante do distrito, sem uma ponte para o Seixal e com um desenvolvimento restrito, o Barreiro está a tornar-se meramente um dormitório, obrigando os moradores do Barreiro a percorrer uma longa distância para alcançar locais que estão a 600 metros de distância em linha reta como o caso do Seixal em que os Barreirenses tem de percorrer 17 km para o alcançar. Da mesma forma, para chegar a Almada, é preciso apanhar o barco até Lisboa e, em seguida, apanhar outro para Almada. Isto não só resulta em deslocamentos demorados, mas também em um aumento significativo nos gastos com combustível.
Além das questões de transporte, o Barreiro também enfrenta um dilema em relação às oportunidades de emprego onde os nossos jovens não conseguem permanecer no concelho e acabam por ir para outros concelhos morar e trabalhar. Aqueles que permanecem gastam quantias exorbitantes para chegar às suas áreas de trabalho, geralmente localizadas fora do Barreiro.
Como podemos ter um futuro promissor quando os maiores empregadores deste concelho são a Câmara Municipal, o Hospital do Barreiro e o Continente? Onde anda o Barreiro industrial e produtivo que dava emprego a mais de 10 mil pessoas?
É triste ver um concelho que um dia foi produtivo a resumir-se apenas a serviços. O executivo atual parece estar focado apenas em projetos de cosmética, como a recente obra próxima ao terminal dos barcos, em vez de investir o dinheiro na construção da tão necessária ponte entre o Barreiro Seixal, algo de extrema importância para o concelho. Parece que prefere continuar com projetos de fachada, talvez com o objetivo de simplesmente gastar recursos. As inúmeras rotundas, por exemplo, parecem ser mais um desperdício de dinheiro.
Para garantir um futuro promissor para os Barreirenses , é essencial fomentar o desenvolvimento económico do concelho.
Outra questão que merece atenção é a recolha de lixo. O executivo do nosso Barreiro só se concentra na limpeza das áreas mais visíveis, embora de forma inadequada como é evidente pela Rua Miguel Pais, onde existem contentores novos avariados há mais de um ano. Além disso, os contentores antigos estão localizados no meio da praça, criando uma imagem pouco agradável para o tão aclamado “Barreiro do Turismo”. 

As regiões de Santo António da Charneca e Lavradio são particularmente afetadas pela negligência. A recolha de lixo nessas áreas é praticamente inexistente, e a sensação de abandono só aumenta. Em Santo António, até os sinais de trânsito estão esbranquiçados e desgastados pelo tempo, vendo-se assim a falta de interesse e desrespeito que o executivo tem pela população. 

Para reverter essa situação preocupante, o Barreiro precisa urgentemente de um executivo municipal comprometido com o verdadeiro desenvolvimento da cidade e do concelho como um todo. Os recursos disponíveis devem ser direcionados para projetos que promovam um impacto real e duradouro na vida dos Barreirenses em vez de serem desperdiçados em iniciativas superficiais. 

Somente através de uma liderança comprometida e de ações concretas será possível resgatar o potencial adormecido do Barreiro e estabelece-lo novamente como uma região próspera e vibrante. A hora de agir é agora. Com uma abordagem estratégica podemos construir um futuro próspero e sustentável para o nosso Barreiro 

Não podemos esperar mais! Estamos encurralados! Precisamos de mudança! 

Folha Nacional

Folha Nacional

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados