14 Julho, 2024

Portugueses acham que Portugal está “cada vez pior”

Uma sondagem da Universidade Católica para a RTP, o Público e a Antena 1 indica que 75 por cento dos portugueses consideram que o país está pior e há cada vez mais pedidos de ajuda ao Banco Alimentar.

© Folha Nacional

 

Os principais problemas identificados pelos inquiridos estão relacionados com a saúde, a governação, a corrupção e a inflação e indicam que os portugueses consideram que todas estas áreas estão pior do que há um ano. Este estudo foi feito já depois de António Costa comunicar a sua demissão de primeiro-ministro, e demonstram um agravamento na perceção dos inquiridos relativamente ao país. Quanto à questão sobre se o país está pior, igual ou melhor do que há um ano, 75 por cento indica que está pior, 14 por cento revela que está igual e apenas dez por cento avalia a situação do país como melhor. Um por cento não responde ou afirma não saber.
“Houve um aumento dos pedidos de ajuda alimentar e já não são só idosos, mas também trabalhadores com baixos rendimentos e famílias com crianças.”
Relativamente à perceção de quais são os principais problemas do país, 18 por cento aponta a saúde como a área que mais os preocupa, o que não é de estranhar, tendo em conta os problemas que são reportados de forma diária nas notícias, dando conta de urgências fechadas, falta de médicos, falta de acesso a cuidados de saúde e longas filas de espera. Segue-se a área da governação, corrupção e custo de vida, que colhem 11 por cento das críticas, o que também se percebe, olhando para a instabilidade governativa e os casos de justiça que envolvem o Governo e os seus membros.
O problema da habitação vem logo a seguir, com sete por cento dos portugueses a indicarem o aumento das taxas de juro com implicação nos empréstimos e o valor das rendas como uma dificuldade nos tempos que correm.
Também os salários baixos, as pensões de miséria e a pobreza são apontados por seis por cento dos inquiridos.
Há também outros problemas do país identificados por quem respondeu a este estudo, prendendo-se com: Economia/investimento (4%); Impostos (4%); De- missão do PM e a instabilidade política (4%); credibilidade e capacidade dos políticos (4%). Há ainda um dado interessante que convém ressalvar. A imigração surge pela primeira vez como um dos principais problemas do país para 3% dos inquiridos. Este estudo foi realizado pelo CESOP – Universidade Católica Portuguesa para a RTP, Antena 1 e Público entre os dias 15 e 24 de novembro de 2023, aos eleitores residentes em Portugal, tendo sido obtidos 1102 inquéritos válidos. 41% dos inquiridos eram mulheres, sendo que a distribuição geográfica era a seguinte: 31% da região Norte, 20% do Centro, 33% da A.M. de Lisboa, 7% do Alentejo, 5% do Algarve, 2% da Madeira e 2% dos Açores. Segundo o estudo, “a margem de erro máximo associado a uma amostra aleatória de 1102 inquiridos é de 3,0%, com um nível de confiança de 95%.”
A par desta sondagem, a presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome indica que a pobreza está a aumentar e que há cada vez mais pedi- dos de ajuda à instituição a que preside. Em declarações ao Jornal de Notícias, Isabel Jonet indica que “houve um aumento dos pedidos de ajuda alimentar e verificámos uma tipologia diferente. Já não são só idosos com baixas reformas, mas também trabalhadores com baixos rendimentos e famílias com crianças, que viram as taxas de juro dos créditos à habitação aumentarem”.
O Banco Alimentar empreendeu, entretanto, uma campanha sob o lema “a sua ajuda pode ser o que falta à mesa de uma família”, apelando à generosidade dos portugueses “numa altura em que se agravam as situações de carência alimentar de muitas famílias portuguesas”, segundo Isabel Jonet.

Folha Nacional

Folha Nacional

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Receba o Folha Nacional no seu e-mail

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados