20 Abril, 2024

Zelensky afirma que não “haverá portos seguros” para russos no Mar Negro

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, celebrou hoje a destruição do barco-patrulha russo Sergei Kotov num ataque ucraniano nas proximidades da península da Crimeia e avisou que não há “portos seguros” para a Rússia no Mar Negro.

© Facebook de Volodymyr Zelensky

 

“Não há portos seguros para terroristas russos no Mar Negro e nunca haverá. E não haverá espaço seguro para eles no céu, enquanto a nossa força ucraniana for suficiente. Isto aplica-se tanto ao abastecimento dos nossos parceiros como à nossa produção interna”, observou.

O Presidente ucraniano disse que Kiev está a conseguir demonstrar o seu poderio militar, o que “é evidente no número de aviões russos abatidos”, bem como nas operações bem-sucedidas levadas a cabo pelas Forças Armadas contra a Frota do Mar Negro da Rússia.

“Hoje quero agradecer a todos os nossos soldados, a todas as nossas unidades que estão a restaurar a segurança e o controlo tanto nos céus ucranianos como no nosso mar Negro”, disse Zelensky durante um discurso relatado pela agência de notícias ucraniana Unian.

As autoridades ucranianas afirmaram hoje que afundaram o barco-patrulha russo Sergei Kotov, da Frota do Mar Negro, num ataque realizado de madrugada perto do Estreito de Kerch, que liga o Mar Negro ao Mar de Azov, junto da península da Crimeia, anexada por Moscovo em 2014.

Os serviços de informações militares do Ministério da Defesa ucraniano indicaram que o “navio inimigo” foi destruído por uma unidade especial com recursos a ‘drones’ navais.

As autoridades de Kiev referiram que um helicóptero de combate também estava a bordo do navio, tornando o ataque num “dois em um”.

Segundo os serviços de informações ucranianos, pelo menos sete membros da tripulação morreram e outros seis ficaram feridos em resultado do ataque, enquanto as forças russas teriam conseguido retirar 50 pessoas que estavam a bordo.

O custo do navio é estimado em 65 milhões de dólares (60 milhões de euros), de acordo com Kiev.

O Ministério da Defesa de Moscovo não comentou a reivindicação do sucesso ucraniano, mas vários blogues militares russos confirmaram a perda do navio.

Os ataques bem-sucedidos com ‘drones’ e mísseis ucranianos são um grande impulso moral para Kiev, numa altura em que as suas forças enfrentam ataques russos ao longo da linha da frente de mais de mil quilómetros e a escassez de soldados, armas e munições.

O desafio da superioridade naval da Rússia também ajudou a criar condições para as exportações de cereais e outras remessas com origem nos portos da Ucrânia no Mar Negro.

O ataque de hoje marca o mais recente uso bem-sucedido dos barcos não tripulados Magura, produzidos internamente na Ucrânia, e que se tornaram num inimigo da marinha russa.

No mês passado, ‘drones’ afundaram o navio anfíbio russo “Cesar Kunikov” e a corveta “Ivanovets”.

Num outro ataque no final de dezembro, a Ucrânia disse ter destruído o navio de desembarque “Novocherkassk” no porto de Feodosia, na Crimeia, com mísseis de cruzeiro de longo alcance.

O Ministério da Defesa russo disse que a embarcação foi apenas danificada no ataque, mas blogues de guerra russos confirmavam que estava perdido, enquanto publicações nas redes sociais de Kiev satirizavam a situação, dizendo que engenheiros ucranianos conseguiam transformar navios em submarinos.

Os militares ucranianos também lançaram uma série de ataques persistentes com mísseis de cruzeiro e ‘drones’ contra instalações de radar russas, meios de defesa aérea e bases aéreas na Crimeia.

Aumentando as preocupações de Moscovo, as forças ucranianas abateram dois aviões russos de alerta e controlo sobre o Mar de Azov em janeiro e fevereiro, privando os militares russos de alguns dos seus mais preciosos meios de recolha de informações, somando-se por sua vez à destruição de vários jatos de combate desde o final do ano passado.

Estes ataques seguiram-se a outros altamente eficientes no início da guerra, incluindo o naufrágio, em abril de 2022, do principal cruzador de mísseis da frota do Mar Negro, o “Moskva”, e um ataque com mísseis em setembro passado ao quartel-general no porto de Sebastopol.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados