16 Junho, 2024

Ex-presidente da linha dura Ahmadinejad regista-se como candidato presidencial

O antigo presidente Mahmoud Ahmadinejad, da linha dura do Irão, inscreveu-se hoje como possível candidato às eleições presidenciais, convocadas devido à morte do chefe de Estado, Ebrahim Raisi, num acidente de helicóptero em maio.

© D.R.

 

Ahmadinejad, 67 anos, deslocou-se ao Ministério do Interior para registar a candidatura, com apoiantes no exterior a entoar cânticos e a agitar bandeiras iranianas, segundo a agência norte-americana AP.

Ao descer as escadas do ministério, mostrou o passaporte a dezenas de fotógrafos e jornalistas de vídeo presentes para o processo de registo.

Está prevista para 28 de junho uma eleição para substituir o Presidente Ebrahim Raisi, protegido de Khamenei na linha dura, que morreu num acidente de helicóptero em 19 de maio, juntamente com outras sete pessoas.

O registo do antigo presidente populista exerce pressão sobre o líder supremo, o ‘ayatollah’ Ali Khamenei, 85 anos, que Ahmadinejad desafiou quando exerceu o cargo, tendo a sua tentativa de se candidatar em 2021 sido impedida pelas autoridades.

O regresso do político incendiário, que questiona o Holocausto, ocorre numa altura em que aumentam as tensões com o Ocidente devido ao avanço do programa nuclear iraniano, ao fornecimento de armas à Rússia e à repressão interna.

Ahmadinejad cumpriu anteriormente dois mandatos de quatro anos, de 2005 a 2013.

Ao abrigo da lei iraniana, tornou-se elegível para se candidatar novamente após quatro anos fora do cargo, mas continua a ser uma figura polarizadora, mesmo entre os dirigentes da linha dura.

A disputada reeleição em 2009 deu origem a enormes protestos do “Movimento Verde” e a uma repressão generalizada que resultou na detenção de milhares de pessoas e na morte de dezenas.

No estrangeiro, tornou-se uma caricatura das perceções ocidentais do pior atributo da República Islâmica, questionando o Holocausto, insistindo que o Irão não tinha cidadãos homossexuais e insinuando que o país poderia construir uma arma nuclear se assim o desejasse.

Ahmadinejad continua a ser popular entre os pobres devido aos seus esforços populistas e programas de construção de casas.

Desde que deixou o cargo, elevou a visibilidade nas redes sociais e escreveu cartas amplamente divulgadas aos líderes mundiais.

Também criticou a corrupção do governo, embora a administração que liderou tenha enfrentado acusações de corrupção, levando mesmo à detenção de dois ex-vice-presidentes.

As candidaturas têm de ser aprovadas pelo Conselho dos Guardiões de 12 membros, um painel de clérigos e juristas supervisionado por Khamenei.

Este painel nunca aceitou uma mulher ou alguém que apelasse a uma mudança radical na governação do país.

O painel poderá voltar a rejeitar Ahmadinejad, embora ainda não haja um candidato com o apoio claro e decisivo de Khamenei na corrida para a substituição de Raisi.

A lista dos que já se registaram inclui o antigo presidente do parlamento Ali Larijani, um conservador moderado, e o antigo chefe do Banco Central Abdolnasser Hemmati , que também se candidatou em 2021.

O período de inscrição de cinco dias termina na terça-feira, e espera-se que o Conselho dos Guardiães publique a lista final de candidatos dentro de 10 dias.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados