12 Junho, 2024

Venezuela perdeu 50% da capacidade de abastecimento de água potável

Facebook

A Venezuela perdeu nos últimos 25 anos 50% da capacidade de abastecimento de água potável, de acordo com o antigo dirigente da empresa estatal Hidrocapital, José Norberto Bausson.

Nos últimos anos, os venezuelanos têm-se queixado da falta de água potável em casa, uma situação que tem levado a população a atribuir “a pior avaliação” ao serviço de abastecimento publico.

De acordo com o ex-presidente da empresa estatal Hidrocapital e do Instituto Municipal de Águas e Aquedutos de Sucre, José Norberto Bausson, esta crise não é motivada pelo défice de água, mas sim a perda de 50% da capacidade instalada de abastecimento local.

“Estamos a entregar às pessoas a metade da quantidade de água que entregávamos há 25 anos. Nessa altura, entregavam-se 125 mil litros por segundo, a nível nacional, que correspondiam a 125 litros por pessoa por dia”, disse o engenheiro civil à rádio católica Fé e Alegria.

José Norberto Bausson explicou ainda que o abastecimento de água continua a ser “o serviço com a pior classificação na perceção das pessoas”.

“Claro que há água, mas 50% da infraestrutura não funciona e são necessários trabalhos de recuperação muito grandes”, disse.

O ex-presidente da Hidrocapital explicou ainda que no país há mais de dois mil poços profundos de água e 41 grandes sistemas de abastecimento da população, mas que não funcionam a 100%.

Por outro lado, explicou que os organismos governamentais são responsáveis pela fala de água. A lei estabelece que os governantes devem atender os serviços públicos, mas o problema está a ser “transferido” aos cidadãos.

“Antes, acontecesse o que acontecesse, as pessoas tinham sempre de ter o serviço e a água tinha de ser potável. Mas hoje [a qualidade] da água é péssima e turva. Isto causa doenças, mas o Governo parece não se importar muito com isso”, frisou o engenheiro.

José Norberto Bausson insistiu que é preciso querer resolver este problema, encomendar esse trabalho aos profissionais e não aos dirigentes políticos e procurar associados estrangeiros especialistas da área.

Em 07 de fevereiro, a ONG “Monitor Ciudad” divulgou um relatório que dava conta que, em Libertador, o maior município da cidade de Caracas, a população passou em 2022 em média 58,3 horas por semana sem água. Também que os venezuelanos perderam em média quase cinco horas semanais para armazenar água e que o tempo médio de espera entre ciclos (chegada e falta) de água foi de mais de cinco dias.

As maiores dificuldades registaram-se nas localidades de Sucre, El Junquito e Antímano, onde houve água durante menos de 19 horas por semana.

Em 10 de fevereiro de 2023, os cinco municípios do Distrito Capital (Chacao, Libertador, Baruta, El Hatillo e Sucre) estiveram várias horas sem água potável, devido a uma falha no sistema que abastece a entidade federal.

Segundo o Observatório Venezuelano dos Serviços Públicos, “o abastecimento de água na Venezuela não melhorou desde 2018, e em 2022 manteve a proporção mais elevada de classificações negativas (61,9%) devido às graves deficiências que apresenta”.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados