22 Maio, 2024

Quadros técnicos das Infraestruturas Rodoviàrias fazem greve às horas extraordinárias em março

© Facebook / Município de Monção

O Sindicato dos Trabalhadores das Infraestruturas Rodoviárias (STIR) anunciou hoje uma greve às horas extraordinárias dos quadros técnicos e técnicos superiores da Infraestruturas de Portugal (IP), de 01 a 31 de março, por aumentos salariais superiores a 3,9%.

“Com o objetivo de proteger o equilíbrio e a saúde dos trabalhadores da IP e suas participadas e, também, com o objetivo de contribuir para a justa valorização destes trabalhadores, o STIR – Sindicato dos Trabalhadores das Infraestruturas Rodoviárias apresentou, no dia 13 de fevereiro de 2023, um aviso prévio de greve às horas extraordinárias que durará das 00:00 do dia 01 de março às 24:00 do dia 31 de março de 2023”, informou o sindicato, em comunicado.

As negociações com a empresa para aumentos salariais foram encerradas no dia 08 de fevereiro, sem ter sido alcançado acordo entre as partes.

Segundo aquela estrutura, “os aumentos propostos pela Administração da IP de 3,9% ficaram muito abaixo das expectativas, inclusivamente abaixo dos aumentos aprovados pelo Governo para as carreiras gerais da Administração Pública”.

Acresce que os aumentos aprovados na Função Pública foram aplicados, na IP, aos trabalhadores em Funções Públicas (QPT) que não aderiram ao Sistema de Carreiras do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), o que, para o sindicato, constitui “mais uma discriminação entre trabalhadores”.

“A empresa não mostrou qualquer vontade de compensar os trabalhadores pela discriminação realizada em 2022, onde beneficiou um grupo restrito de trabalhadores representado por um único sindicato, em detrimento dos restantes, com um aumento de 85 euros por mês (pago em 12 meses)”, realçou o STIR.

Adicionalmente, o sindicato sublinhou ainda que “a falta de reconhecimento e valorização do trabalho, aliado às novas e difíceis sobrecargas de trabalho decorrentes da necessidade de cumprimento das grandes metas do Governo, quer do PRR [Plano de Recuperação e Resiliência], quer do PNI2030 [Programa Nacional de Investimentos 2030], tem levado a um esvaziamento de carreiras especializadas da IP, sem possível reposição dos seus quadros face aos baixos vencimentos praticados”.

Segundo o STIR, há vagas de emprego abertas há mais de meio ano, que não são preenchidas.

O Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (Sintap) e o Sindicato Nacional dos Ferroviários do Movimento e Afins (Sinafe) também anunciaram uma greve na IP, para os dias 28 de fevereiro e 02 de março, estando em causa o “impasse” nas negociações salariais com a administração.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados