22 Maio, 2024

Alojamento local com quebra diária de 2.700 reservas

©D.R.

Portugal registou uma quebra de perto de 2.700 reservas por dia no verão de 2020 em alojamento local devido à pandemia de covid-19, só vindo a recuperar a partir de novembro de 2021, segundo um estudo hoje divulgado.

O estudo “Impact of Covid-19 on Tourism and Hospitality: Evidence from Airbnb”, desenvolvido pela Nova School of Business and Economics em 2020 e que analisa o impacto da covid-19 nas estadias em alojamento local (AL), foi divulgado com uma atualização de novos indicadores relativos ao ano de 2021.

A análise dá conta de que no verão de 2020 se assistiu a uma quebra de, em média, 2.688 reservas por dia, tendo os anfitriões da plataforma Airbnb baixado os seus preços, também em média, até 11 euros por noite.

Desta forma, houve uma perda de rendimentos deste tipo de alojamento, especialmente durante os meses de verão, “de aproximadamente 212,79 milhões de euros”.

De acordo com o estudo, a partir de novembro de 2021, observou-se “uma forte recuperação do número de reservas, preços médios e receita face ao período homólogo de 2020”, e um aumento do número de reservas “que se revelou superior ao observado antes da pandemia”.

“Durante este último período, os preços estabelecidos pelos anfitriões da Airbnb também aumentaram (em média 19 euros por noite), resultando num impacto positivo nas receitas, que foram mais elevadas nos meses finais de 2021 do que nesses mesmos meses em 2019”, é referido.

O estudo considera agora a comparação da performance do Airbnb nas cidades mais turísticas de Portugal e Espanha, desde o início da pandemia e até ao final de 2021.

Em relação a Espanha, e na sequência do anúncio da pandemia, também se verificou, entre outubro e novembro de 2020, uma quebra no número de reservas, que resultou numa perda aproximada de 5.025 reservas diárias.

A diminuição do número de reservas provocou em Espanha “uma perda de 273,34 milhões de euro no total das receitas, sendo que, na sequência da flexibilização das medidas sanitárias, entre os meses de junho e setembro de 2021, se assistiu a uma recuperação gradual registando-se, nessa altura, um aumento dos preços listados em Airbnb, (em média 23 euros por dia)”.

Os dados analisados no relatório permitiram aferir que as dinâmicas do turismo apresentaram padrões semelhantes em Portugal e em Espanha, verificando-se, em ambos os países, uma recuperação nos últimos meses de 2021.

Espanha teve uma recuperação mais rápida, tanto nas reservas diárias como nas receitas, atingindo no terceiro trimestre de 2021 níveis semelhantes, ou mesmo superiores, aos registados antes da pandemia.

Portugal revelou uma recuperação mais lenta e apenas no quarto trimestre de 2021 apresentou um padrão semelhante de recuperação.

A análise dá conta ainda de uma diferença nos dois países: enquanto em Portugal os anfitriões reagiram aos níveis mais baixos de reservas, diminuindo os preços de listagem numa média de 11 euros por noite, em Espanha os anfitriões atuaram em sentido inverso, aumentando os preços, ao longo de toda a pandemia, em média, 23 euros por noite.

No entanto, em Portugal, os anfitriões já passaram a listar preços mais altos para as suas propriedades na Airbnb nos últimos meses de 2021.

Três anos após o início da pandemia, o setor está a recuperar o seu ritmo em várias cidades de Portugal e Espanha, com a possibilidade de um futuro mais otimista, no contexto pós-pandémico.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados