24 Maio, 2024

Movimento cívico critica alheamento do ministro da Saúde sobre problemas do SNS

© D.R.

O elogio do ministro da Saúde ao concurso para médicos de medicina geral e familiar representa “um sinal de alheamento” do Governo para os problemas do Serviço Nacional de Saúde (SNS), defendeu hoje o movimento +SNS.

Em declarações à Lusa, o médico Afonso Moreira, que integra o movimento cívico que vai organizar uma manifestação em Lisboa no próximo sábado, criticou as palavras de Manuel Pizarro, que esta terça-feira enalteceu o “nível de fixação elevadíssimo”, perante a colocação de 278 dos 306 médicos que concorreram às 978 vagas abertas no país, apesar de só existirem 307 novos profissionais.

“Consideramos que estas declarações são um sinal de alheamento. O Governo está alheado da situação real das pessoas. Há uma falta de médicos que está na origem de vários problemas do SNS. É preciso que o debate se centre nos problemas: há um problema de credibilidade das instituições. Precisamos de mudar muitas coisas e de criar condições para atrair profissionais para o SNS”, referiu.

Para Afonso Moreira, o governante “está a brincar com os números”, sublinhando também que a abertura de vagas “não resolve por si só” os problemas do setor público da saúde.

“Se formos ver a realidade, onde há um grande défice de médicos, esses défices vão manter-se. Há zonas com milhares de pessoas sem médico de família e onde as vagas ficaram por preencher”, indicou, ao citar o exemplo do Cacém (concelho de Sintra), no qual haverá mais de 10 mil utentes sem médico de família e onde as seis vagas abertas ficaram por preencher.

De acordo com o médico, a classe tem de encontrar no SNS “carreiras dignas e salários justos”, cumprindo o princípio constitucional de garantir o acesso universal a cuidados de saúde.

“O SNS tem de ser reforçado em meios materiais e humanos. E que todos os utentes possam ter acesso a tempo e horas a cuidados de saúde de qualidade, sem discriminação de qualquer tipo”, resumiu, apelando à participação na manifestação cívica agendada para sábado, que sai às 15:00 do Largo do Camões em direção à Assembleia da República.

Na terça-feira, em declarações aos jornalistas à margem da inauguração de uma unidade de saúde mental em Paço de Arcos, Oeiras, Manuel Pizarro destacou a percentagem de 91% de colocação de profissionais. O ministro acrescentou ainda ter a expectativa de que nos próximos concursos seja possível manter um nível de fixação tão elevado: “Tudo o que for uma taxa de fixação acima de 75% significa que cumprimos o nosso papel”.

Com nomes ligados à Saúde, como Constantino Sakellarides e Francisco George, mas também às artes, como os músicos Jorge Palma e Salvador Sobral, o realizador João Salavisa e os escritores José Luis Peixoto e Luísa Costa Gomes, o movimento +SNS lançou um manifesto, já subscrito por cerca de 3.000 pessoas, que pede uma cura para um SNS que “está doente”.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados