22 Fevereiro, 2024

Patriotismo português e a construção de um Portugal mais próspero

© Folha Nacional

Não há dúvida alguma de que o CHEGA é o único partido português que realmente defende os valores que durante séculos sustentaram a identidade portuguesa, aquilo que significa ser português; uma noção que há muito vinha sendo esquecida, tanto pelo bloco central ( PS e PSD ) como pelos saudosistas do PREC, que ao longo dos últimos anos têm feito tudo para denegrir a imagem de Portugal e o seu legado histórico, cultural e civilizacional, perante o povo que deu novos mundos ao mundo.

 É o CHEGA a única força que quer reviver os valores de Deus, da Pátria, da Família e do Trabalho; valores que motivam e cativam a maioria do povo português e que fazem do CHEGA o partido que mais cresce ao longo dos últimos anos; este crescimento súbdito e quase impossível deixou os inimigos da nação em sobressalto e estes não tardam em apelidar-nos de fascistas, racistas e xenófobos, simplesmente por queremos defender aquela pátria que é nossa por direito e que está hoje subjugada aos corruptos, cá dentro e aos globalistas da EU e da NATO lá fora. 

  Claro que nós não cedemos perante tais insultos, somos democratas como qualquer outro partido, a única coisa que nos difere é o nosso amor pela cultura e os valores que os nossos antepassados nos passaram, somos um partido que visa reviver estes ideais que movem ex votantes da esquerda e da direita, e é isso que me fascina mais neste partido, é que nós, apesar de termos antecedentes políticos tão distintos, vimos no CHEGA a alternativa a este sistema anti nacional e parasítico. 

  Também, na minha opinião pessoal, vejo este partido muito diferente dos partidos da nova direita europeia, muitos discordarão comigo, mas na minha opinião Portugal é um país que não precisa de nacionalismo exacerbado, como o que se verifica em Espanha com o VOX a querer suprimir os regionalismos dentro do país, ou como a Itália com o Lega Nord, que era um partido separatista do norte italiano há pouco tempo. Os portugueses têm naturalmente um sentimento telúrico que os une ao seu país de origem e que fazem de Portugal um país com um grande potencial de crescimento económico, de coesão e paz social. Portugal não precisa de um nacionalismo exacerbado pois Portugal não tem inimigos, é essa a realidade, e isso é um fator positivo para nós! Basta-nos o patriotismo para fazer de Portugal um país próspero: Temos uma área de pesca muito vasta e temos um setor primário no qual vale a pena investir, se soubermos aplicar as políticas corretas podemos tornar Portugal numa potência regional, e se, num palco internacional tivermos uma postura neutra e ambígua ( o que implicaria distanciar-mo-nos de organizações como a NATO e a EU, que simplesmente nos querem endividar e arrastar para guerras na Europa de Leste e no Médio Oriente ),e ao mesmo tempo, construirmos um exército forte para razões defensiva, nós podemos realisticamente falar de um fenómeno de prosperidade semelhante ao da Suíça, é esse o caminho pelo qual, na minha opinião, o partido e o país deviam de seguir.

Folha Nacional

Folha Nacional

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados