27 Maio, 2024

Salário real cai em cerca de metade dos países da OCDE mas sobe em Portugal 1,8%

Os salários reais caíram em cerca de metade dos países da OCDE em 2023, com Portugal a estar no grupo das nações em que subiram, tendo sete países registado uma queda superior a 2%.

© D.R.

Segundo o relatório ‘Taxing Wages 2024’ da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), em termos nominais, o salário médio aumentou em 37 países que integram a organização, face a 2022, mas em termos reais caiu em 18.

Em Portugal, de acordo com os dados da OCDE, o salário médio aumentou 7,4%, mas o vencimento real cresceu 1,8%, tendo em conta uma inflação de 5,5%.

A organização indicou ainda que a queda nos salários reais foi de mais de 2% em sete países: Estónia, Islândia, Chéquia, Hungria, México, Suécia e Colômbia.

“As taxas de imposto efetivas sobre o rendimento do trabalho subiram em toda a OCDE em 2023, enquanto a inflação se manteve acima dos níveis históricos”, indicou a OCDE.

A organização destacou que, “com os sistemas fiscais de muitos países da OCDE a não se ajustarem totalmente à inflação, a carga fiscal média para os oito tipos de agregados familiares abrangidos pelo presente relatório aumentou na maioria dos países entre 2022 e 2023, impulsionada, na maioria dos casos, por impostos sobre o rendimento mais elevados”, lê-se no documento.

Assim, “pelo segundo ano consecutivo, os rendimentos após impostos ao nível salarial médio diminuíram na maioria dos países da OCDE”, indicou.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados