21 Fevereiro, 2024

A situação política, em Portugal, hoje, é abjecta. Porque repugnante (2)

Os escândalos de corrupção multiplicam-se, diariamente.
Os Ministros, Secretários de Estado e Autarcas enlameiam-se, “prostituindo-se” por dezenas ou centenas de milhares de euros, de modo absolutamente desbragado e sem pudor! E, se conveniente, “atiram para as costas” de um qualquer familiar.
A moda, hoje, é “roubar”, muito, tanto, tudo. E, sem réstia de vergonha!
É, este, o mais recente “paradigma”.
Roubar!

E rápido. E sofregamente.
Quanto a, eventualmente, ser bem feito…isso tornou-se um detalhe, que fica para as calendas, porque se inaugurou e instalou uma nova “deixa”.
A “deixa” do…

“Não sei.Não sabia. Não me lembro”!
Porque não vai tornar-se tradição, espero, a hipótese de Pedro Nuno Santos que, um dia afirma uma coisa e dias depois vem dizer, descaradamente, o dito por não dito e afirmar a totalidade do seu contrário. Não se lembrava…

Tenho, pois, para mim que a situação se tornou absolutamente insustentável.
E ao “Presidente”, que cúmplice, apenas se oferecem três situações possíveis.
A- Manter a situação, qual corruptela e continuar a viajar sem norte, nem tino.
B- Dissolver a Assembleia da República e convocar Eleições Gerais Antecipadas.
C- Demitir o Governo e nomear um novo Primeiro Ministro.
E, nesta última hipótese, abro três sub-alíneas.

C.1- Demitir o Governo e convidar António Costa, novamente, a constituir um novo Governo.
C.2- Demitir o Governo e formar um Governo com um Primeiro Ministro, independente, de nomeação presidencial, assegurando que na sua constituição entram o maior número possível de representantes dos Partidos com assento no Parlamento. E encetando diversas negociações para garantir apoio parlamentar.

C.3- Uma versão melhorada da sub alínea anterior. Constituir um Governo de “Salvação Nacional”, com representantes de uma maioria, a maior possível, negociada com os Partidos com representação parlamentar e respeitando os pesos relativos de cada um.
Se revirmos as hipóteses acima elencadas, considero que a hipótese preferível, por mais que eventualmente custe a alguns dos que me lêem, mas asseguradora de maior estabilidade política, seria a demissão do Governo e o convite a António Costa para apresentar um novo elenco governativo.

Calma a quem me lê. E nada de precipitações.
Senão vejamos…
O “Presidente” da República jamais primou pela “coragem”.
Talvez, até, pelo facto de não ter cumprido o Serviço Militar Obrigatório. Pelo que não podem ser pedidas, a sua “insselência”, atitudes de arrojada Coragem. Que já provou, à exaustão, não ter.

Tem sido demasiado protector e “cúmplice” deste Governo e, sequencialmente, desta maioria. Marcelo tem sido o “padrinho”, sem, contudo, ter qualidade ou perfil para o ser. Mais uma versão guarda-chuva.

É uma realidade demasiado provada e comprovada. Marcelo sendo intriguista e conspirador, um Maquiavel à maneira lusa, não tem a coragem e o espírito de iniciativa que caracterizam os Lideres. É a realidade, imutável. Marcelo não sabe exercer o Poder. E não tem espírito de iniciativa. Porque Marcelo não é Lider. Nunca o foi. Nunca o será.
Assim sendo e não podendo esquecer que existe uma maioria substancial na Assembleia da República, a solução mais avisada é, na minha opinião, a demissão deste Governo e o convite ao Secretário-Geral do PS para constituir um novo Governo.
A demissão de um Primeiro Ministro e posterior convite à mesma pessoa é uma solução possível, já experimentada, inclusivé, em outros países.

Acresce que o, ainda, segundo maior Partido nacional não está, claramente, interessado na hipótese de Eleições Gerais Antecipadas. Porque o Presidente do PSD ainda não “fez caminho” nem se conseguiu apresentar como primo-ministeriável. Eu duvido que algum dia lá chegue. Mas essa é a minha opinião. Uma Pós Graduação, feita em Paris, em “Liderança” não consegue transformar um Deputado…em Líder. Nem em Portugal nem no Burkinafaso.

E Montenegro, não sendo Lider, nem sabendo ser, não tem, também, equipa constituida, sólida e credível. Os seus “inter pares” do “inner circle” são fracos e fracas, auspiciando, quando muito, a virem a ser cabeças de lista para umas Eleições Autárquicas…mas num círculo não demasiado grande.
Convenhamos e assumamos. São mesmo muito fracos.
Como tal, sem Lider e sem equipa, ao PSD interessa, apenas, adiar.
Por isso o recente mote, qual desculpa de mau pagador…
“É o PS que tem que governar”.
Faltando acrescentar o resto…

Porque nós sabemos que não somos solução.
E o fantasma de Rio parece querer regressar, nunca se apercebendo ou recusando aperceber, da total mediocridade que o caracterizou e à “equipa” de que se fez rodear.
E, à Direita, a Iniciativa Liberal está, permitam-me, “em fanicos”. Viu-se a “peixeirada” do último fim de semana. Para um Partido que se anunciava como diferente, adquiriu, já, todos os vícios dos Partidos institucionais.
Quanto ao Chega…

O Chega está a fazer o seu caminho.
Mas precisa, também, de mais tempo para caminhar. Fazer trajecto. Angariar Personalidades. Aglutinar. Credenciar-se. Credibilizar-se. Precisa, pois, de tempo.
Do outro lado do espectro político, também a Esquerda, corporizada pelo PCP e a Extrema Esquerda, que engloba o BE e o “irmão” Livre, precisam de tempo para “lamber as feridas e tentar um “renascimento”.

Porque a Extrema Esquerda já percebeu que o seu lugar tem que ser na rua.
A Extrema Esquerda, porque trauliteira e terrorista, é de protesto. E jamais conseguirá deixar de o ser. Apenas.

Não é de construção. Por mais que Catarina Martins e “sus muchachas” “lesbian chic” tenham, em tempos, optado pela versão “blazer” mais ou menos ortodoxo. De nada valeu. Apenas fez perder votos…e Deputados. A Extrema Esquerda não sabe construir. Está-lhe no DNA “assembleário”.

E o PCP tem em mãos um novo “Lider”. Fraco, muito fraco, mas que precisa, também ele, de tempo para se instalar.

Sobra, obviamente, o PAN mas…o PAN não é solução para ninguém. E os poucos “dirigentes” do PAN, após as duas crises internas, sabem-no.
Pelo que, das soluções acima aventadas e perante as evidências e as circunstâncias de cada um e de cada qual…a solução menos danosa seria demitir o Governo e convidar António Costa a apresentar um novo.

Até para dar tempo…
Até porque, quer a solução do Governo de iniciativa presidencial quer a do Governo de Salvação Nacional, seriam politicamente demasiado instáveis, porque a cada proposta de Lei apresentada em sede de `Plenário para discussão e aprovação, exigiria demoradas negociações parlamentares. E a Democracia portuguesa não tem essa maturidade.

Agradável ou não a solução, única, parece ser esta.
Acima de tudo, há uma verdade irrefutável.
As coisas, como estão, não podem continuar!

Manuel Damas
(Médico)

Folha Nacional

Folha Nacional

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados