21 Maio, 2024

Sindicato regista “boa adesão” em greve parcial da Carris

©CARRIS

A greve parcial de trabalhadores da Carris, que teve hoje início e termina na sexta-feira, está a ter “boa adesão, mais numas estações que noutras”, segundo fonte do Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal (STRUP).
“Uma vez que é uma greve às duas primeiras horas de trabalho [de cada turno], é difícil, para já, contabilizar a adesão. Há trabalhadores que vão aderindo, outros vão saindo, outros que não cumprem as duas horas. No entanto, tem havido boa adesão, mais numas estações que noutras”, disse à Lusa Manuel Leal.

Em 15 de março, a Carris anunciou um acordo com quatro sindicatos, em que os trabalhadores vão ter um aumento salarial de 70 euros, mas de fora ficou o Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal, ligado à Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans).

O STRUP pedia um aumento salarial na ordem dos 100 euros, assim como um horário diário de sete horas de trabalho e rendições dos funcionários junto às estações.

Perante a proposta salarial submetida pela administração da transportadora lisboeta de autocarros e elétricos, decorreu um plenário do sindicato, no qual cerca de 200 trabalhadores decidiram a marcação de uma greve às duas primeiras horas e últimas horas (no serviço de cada trabalhador) durante uma semana.

No seu ‘site’, a empresa dá conta de que, devido à paralisação parcial “de uma das associações sindicais representantes de alguns trabalhadores da empresa, podem ocorrer algumas perturbações no serviço regular de transportes, entre os dias 03 e 07 de abril, nomeadamente ao início da manhã e final da tarde”.

De acordo com a transportadora, foram decretados serviços mínimos, por deliberação do Tribunal Arbitral, nomeadamente o funcionamento em 25% do regime normal das carreiras 703, 708, 735, 736, 738, 742, 744, 751, 755, 758, 760 e 767, além do funcionamento do serviço especial de pessoas com mobilidade reduzida, de acordo com os pedidos de transporte.

Os quatro sindicatos que assinaram o acordo com a Carris são o Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes (SITRA), a Associação Sindical dos Trabalhadores da Carris (ASPTC), o Sindicato Nacional dos Motoristas e Outros Trabalhadores (SNMOT) e o Sindicato dos Trabalhadores do Setor de Serviços (SITESE).

Aquando do plenário, e sobre o aumento salarial de 100 euros, Manuel Leal adiantou à Lusa que, depois da mais recente reunião, realizada em fevereiro, “a administração não chegou a dar resposta”, mas “assumiu continuar as negociações do restante clausulado do acordo da empresa”.

Segundo um comunicado do STRUP, “a proposta de 70 euros apresentada pela administração é insuficiente e não responde àquilo que os trabalhadores desejam e merecem”, além de os salários não refletirem os “ganhos de produtividade” da Carris ou o aumento do custo de vida.

A Carris é responsável pelo serviço de transporte público urbano de superfície de passageiros na cidade de Lisboa, sendo, desde 01 de fevereiro de 2017, gerida pela Câmara Municipal de Lisboa.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados