27 Maio, 2024

Imigração, tanta Merdade que anda por aí.

Em França, uma jovem de 29 anos foi violada quando ia trabalhar. Está em coma devido à utilização de um cabo de vassoura e de extrema violência. 

O violador, Omar de 18 anos, filho de um Senegalês, bem conhecido das autoridades, confessou o crime sem remorsos. 

Este bandido, tinha já 17 queixas na polícia e segundo as autoridades os factos ou nunca eram suficientemente graves, ou careciam de não estarem suficientemente caracterizados.

Todos no sistema cumpriam os regulamentos mas nada resolviam.

Mas todos sabiam que se alguém denunciasse este caso, corria seriamente o risco de ser acusado de racismo e de ver toda a sua vida destruída, com a culpa acrescida de ajudar a extrema direita (Inspiração Helena Matos no Observador).

– Suécia:

Um País com 10 milhões de habitantes, que tinha uma imagem de paraíso social, económico e de sã convivência entre todos.

Mas hoje tem mais de 50 zonas nos subúrbios das grandes cidades controladas pelas máfias. Ali, o Estado não entra e existe uma realidade paralela, violenta, onde impera a lei do mais forte. 

Este nível de degradação não tem paralelo na Europa, nem mesmo em Marselha onde os bandidos já recorrem a armas de guerra.

A utilização de crianças a partir dos 10 anos é habitual, porque são manipuláveis, inocentes e com consequências penais quase nulas.

Toda esta atividade é gerada por grupos criminosos que controlam ilicitudes altamente rentáveis como o contrabando de armas, o mercado da droga, etc..). De forma algo sofisticada, organizam-se em grupos muito pequenos, que nascem, crescem e desaparecem a um ritmo impressionante dificultando em muito a ação da justiça.

As Grandes Máfias como a Mocro Máfia que atua na Holanda, têm ali um papel pouco relevante. 

Como se chegou aqui?

A Suécia durante a segunda guerra mundial enriqueceu ao fornecer os dois lados em conflito.

Os primeiros imigrantes chegaram dos Países Nórdicos e foi dos primeiros Países a implementar uma política aberta de Imigração.

No final dos anos 60 a taxa de Natalidade pela primeira vez estava abaixo da taxa de reposição populacional, consequência do aumento da qualidade de vida.

O Primeiro Ministro Sueco demite-se por pressão dos sindicatos, que o acusavam de retirar empregos aos Suecos.

Nos anos 70 apareceu Olof Palme (Social Democrata), e os bairros ou cidades nos subúrbios das grandes cidades com população imigrante.

Em 1986 foi assassinado por um radical.

A Suécia tem hoje 8% de população de origem Muçulmana e é a partir dos anos 2000 que começa a receber refugiados de conflitos bélicos.

É uma grande exportadora de violência e bandidos para o resto da Europa.

.Conclusão: Um Estado com leis demasiado brandas e ideológicas com a imigração e com a delinquência, transforma a vida dos cidadãos mais desfavorecidos num inferno.

Debilita a segurança pública, diminui a capacidade de integração, baixa os salários e condições de trabalho das tarefas menos qualificadas e deixa parte dos subúrbios a máfias e delinquentes. 

Apesar de toda a retórica cheia de palavras bonitas dos novos inquisidores progressistas, estes só trazem pobreza, guerra e infelicidade.

Os países que melhor controlam o crescimento da Imigração são aqueles que possuem melhor qualidade de vida, como por exemplo a Austrália, o Canadá, o Japão e a Noruega onde só entra quem tiver determinadas qualificações e demonstrar que tem emprego.

As teses humanitárias política e socialmente generosas, ou de necessidades de mão de obra para setores de baixa qualificação, acabam por provocar problemas muito graves a curto, médio e longo prazo por esses imigrantes não alcançarem níveis económicos e de integração razoáveis.

É preciso refletir sobre estes assuntos para que não se criem situações que ninguém quer ou deseja, imigrantes incluídos. 

A Imigração quando bem gerida traz bastantes proveitos para o Estado.

O que está verdadeiramente em causa é o bem comum, Portugal e os Portugueses. 

Assim estes o percebam.

Folha Nacional

Folha Nacional

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados