18 Julho, 2024

Negócios Escusos: Comunidades Portuguesas à venda no esquema de fraude para nacionalidade

© Folha Nacional

Um escândalo ainda mais profundo emerge na trama da fraude na obtenção da cidadania portuguesa, com as comunidades portuguesas sendo exploradas como peças-chave neste sinistro quebra-cabeça. Autoridades portuguesas revelaram um esquema onde algumas dessas comunidades, em busca de ganhos financeiros, vendem suas quotas de sócios como parte de um negócio ilícito para facilitar a fraude na obtenção de documentos e, consequentemente, da nacionalidade.

A Polícia Judiciária confirmou em uma nota oficial na segunda-feira, 27 de novembro de 2023, que uma investigação abrangente está em andamento para desvendar as entranhas desse esquema que tem como palco o Consulado no Rio de Janeiro. Corrupção, desvio de fundos, usurpação de funções e falsificação de documentos são apenas algumas das práticas sob escrutínio das autoridades.

O presidente da Sociedade Genealógica Sefardita, David Mendoza, expressou consternação com a situação e lançou luz sobre a venda de quotas de sócios por algumas comunidades portuguesas. Em seu comunicado, Mendoza destaca a necessidade de restringir a concessão da cidadania portuguesa apenas a indivíduos com ascendência sefardita comprovada, ressaltando a falha nas verificações genealógicas confiadas a não-genealogistas não-sefarditas.

A comercialização das quotas de sócios por essas comunidades não apenas mancha a integridade do processo de obtenção de cidadania, mas também destaca uma rede de negócios escusos que busca lucrar com a vulnerabilidade do sistema. Estas comunidades, em busca de ganhos financeiros, abrem as portas para a fraude ao venderem sua legitimidade como associações que promovem a integração em comunidades portuguesas.

O alcance desse esquema vai além do Brasil, indicando que práticas semelhantes podem estar se proliferando por toda a América Latina. A investigação, que agora se estende a vários crimes, incluindo tráfico de influências, corrupção ativa, falsificação de documentos e fraude fiscal, coloca em destaque a urgência de conter essa epidemia de fraudes.

As comunidades portuguesas, que deveriam ser faróis de integração cultural e social, tornam-se inadvertidamente cúmplices em um comércio sombrio que mina a confiança no processo de obtenção de cidadania portuguesa. À medida que mais detalhes emergem, as autoridades intensificam seus esforços para desmantelar essa sinistra aliança entre fraudadores e associações que deveriam ser guardiãs dos verdadeiros laços com a cultura portuguesa. A necessidade de reformas profundas e vigilância contínua é evidente para proteger a integridade do processo de obtenção de cidadania e preservar a reputação das comunidades portuguesas.

Folha Nacional

Folha Nacional

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Receba o Folha Nacional no seu e-mail

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados