4 Março, 2024

Agente do SIS disse estar a ser “pressionado de cima” e quis resolver “a bem”

© Folha Nacional

O ex-adjunto do ministro das Infraestruturas afirmou hoje que o agente do SIS encarregue da recuperação do computador lhe disse que estava a ser pressionado “de cima” e que era melhor resolver a questão “a bem”.

O ex-adjunto do ministro das Infraestruturas afirmou hoje que o agente do SIS encarregue da recuperação do computador lhe disse que estava a ser pressionado “de cima” e que era melhor resolver a questão “a bem”.

“A pessoa que me telefonou é um homem que se identifica como agente do SIS [Serviço de Informações de Segurança], refere que está a ligar por causa do computador e da informação que lá está”, começou por explicar Frederico Pinheiro, na comissão de inquérito à TAP, questionado pelo deputado André Ventura, do Chega, sobre a intervenção daquela entidade na recuperação do seu computador de serviço, após ter sido exonerado por João Galamba, via telefone, em 26 de abril.

Alertado por familiares quanto à competência do SIS para aquela intervenção, Frederico Pinheiro disse ter expressado as suas dúvidas ao agente, que “refere que está a ser muito pressionado de cima”, admite saber que há informação classificada no computador e sugere que “o melhor” é resolver a questão “a bem”.

Segundo o ex-adjunto, “esta ameaça é repetida mais de duas vezes”.

O deputado do CHEGA pediu ao ex-adjunto do ministro das Infraestruturas que identificasse o agente do SIS que o contactou naquela noite, levando à intervenção do presidente da comissão de inquérito, António Lacerda Sales, que indicou não ser legítimo perguntar.

Frederico Pinheiro, que disse ter ficado chocado e incrédulo quando foi contactado pelo SIS, disse que informou o agente que já se tinha voluntariado para entregar o computador e, sabendo da importância da informação que lá estava, não podia simplesmente fazer a entrega sem ficar com um comprovativo.

“O agente do SIS diz que se eu entregasse o computador, nunca mais ouviria falar do mesmo”, referiu Frederico Pinheiro, provocando alguns risos na sala, acrescentando ter ficado combinado que a entrega do equipamento seria feita na rua da casa do ex-adjunto, pela meia-noite.

Frederico Pinheiro disse ainda que, “estranhamente, nunca foi preocupação do senhor ministro das Infraestruturas ou do Governo recuperar o telemóvel” de serviço, que se disponibilizou “voluntariamente para entregar”.

“Porquê? […] Era efetivamente no computador que eu guardava as notas sobre todas as reuniões em que participava e não no telemóvel. Ou ainda porque o objetivo do Governo não era a salvaguarda da informação classificada, mas sim a intimidação e ameaça a um cidadão sem qualquer poder político”, realçou o ex-adjunto, adiantando que ainda aguarda agendamento para a entrega daquele equipamento.

O também jornalista disse ainda que cerca de uma dezena de documentos sobre a TAP classificados por sua sugestão, depois de requeridos pela comissão parlamentar de inquérito, não estavam apenas no computador, mas também no telemóvel.

Questionado sobre o caso da indemnização paga à ex-administradora da TAP Alexandra Reis, uma vez que era adjunto do ex-ministro Pedro Nuno Santos, Frederico Pinheiro disse que aquele “processo foi decido ao nível político”, ao qual não tinha acesso.

O caso que envolve Frederico Pinheiro remonta a 26 de abril, envolvendo denúncias contra o ex-adjunto por violência física no Ministério das Infraestruturas e furto de um computador portátil, já depois de ter sido demitido.

A polémica aumentou quando foi noticiada a intervenção do SIS na recuperação desse computador.

Este episódio gerou uma divergência pública entre o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, em torno da manutenção no Governo do ministro das Infraestruturas, João Galamba, que apresentou demissão, mas que António Costa não aceitou.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados