23 Maio, 2024

Blinken considera protestos pró-Gaza nos EUA parte da democracia mas critica “silêncio” sobre Hamas

O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, afirmou hoje que os protestos pró-palestinianos nos ‘campus’ universitários dos Estados Unidos são parte da “força da democracia” norte-americana, mas criticou o “silêncio” sobre o Movimento de Resistência Islâmica (Hamas).

© Facebook de Antony Blinken

“É uma marca distintiva da nossa democracia que os nossos cidadãos deem a conhecer os seus pontos de vista, as suas preocupações e a sua revolta num dado momento. E creio que isso reflete a força do país, a força da democracia”, afirmou, numa conferência de imprensa em Pequim.

Por essa razão, Blinken asseverou que entende que a população norte-americana tenha “sentimentos fortes e fervorosos” sobre o que está a acontecer na Faixa de Gaza, devido ao “horrível sofrimento humano” e à morte de crianças, mulheres e homens “apanhados num fogo cruzado criado pelo Hamas”.

“Já disse anteriormente que isto podia acabar amanhã, podia ter acabado ontem (…), se o Hamas tivesse deposto as armas, tivesse deixado de esconder-se atrás dos civis, tivesse libertado os reféns e se tivesse rendido. Mas optou por não o fazer – e é também notável que haja silêncio sobre o Hamas”, acrescentou.

Blinken encontra-se em visita a Pequim, onde se reuniu com o Presidente chinês, Xi Jinping, para lhe transmitir o “empenho dos Estados Unidos nas linhas de comunicação existentes” entre as partes e mostrar o seu apoio à aplicação de medidas destinadas a melhorar as relações bilaterais.

Mais de 400 pessoas foram detidas nos últimos nove dias de protestos pró-palestinianos em várias universidades dos Estados Unidos, com a Universidade de Columbia à cabeça, mais de uma dúzia das quais foram palco de intervenções policiais que resultaram mesmo na detenção de professores.

A 07 de outubro do ano passado, combatentes do Hamas – desde 2007 no poder na Faixa de Gaza e classificado como organização terrorista pelos Estados Unidos, a União Europeia e Israel – realizaram em território israelita um ataque de proporções sem precedentes, matando 1.163 pessoas, na maioria civis.

Fizeram também 250 reféns, cerca de 130 dos quais permanecem em cativeiro e 34 terão entretanto morrido, segundo o mais recente balanço das autoridades israelitas.

Em retaliação, Israel declarou uma guerra para “erradicar” o Hamas, que hoje entrou no 203.º dia, continuando a ameaçar alastrar a toda a região do Médio Oriente, e fez até agora na Faixa de Gaza 34.356 mortos, mais de 77.000 feridos e milhares de desaparecidos presumivelmente soterrados nos escombros, na maioria civis, de acordo com números atualizados das autoridades locais.

O conflito causou também quase dois milhões de deslocados, mergulhando o enclave palestiniano sobrepovoado e pobre numa grave crise humanitária, com mais de 1,1 milhões de pessoas numa “situação de fome catastrófica” que está a fazer vítimas – “o número mais elevado alguma vez registado” pela ONU em estudos sobre segurança alimentar no mundo.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados