23 Maio, 2024

Governo irlandês quer legislar com urgência para poder devolver migrantes ao Reino Unido

O Governo irlandês quer legislar com urgência para poder enviar de volta migrantes para o Reino Unido, confrontado com um afluxo do país vizinho na sequência da política britânica de expulsões para o Ruanda.

© Facebook de Simon Harris

Segundo o Governo irlandês, 80% das chegadas recentes de estrangeiros ilegais são feitas através da fronteira terrestre, aberta ao abrigo do acordo de paz de 1998, entre a província britânica da Irlanda do Norte e a República da Irlanda.

Questionado numa entrevista transmitida este domingo pela Sky News, o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, falou do efeito dissuasor da lei, aprovada esta semana, que deverá permitir ao Reino Unido deportar em breve migrantes para o Ruanda.

Segundo o meio público irlandês RTE, citando um porta-voz do primeiro-ministro, Simon Harris (centrista), o governante terá pedido à sua ministra da Justiça que apresentasse propostas na próxima semana para alterar a lei atual relativa à designação de países terceiros seguros e permitir o reenvio para o Reúno Unido de requerentes que não sejam elegíveis para proteção internacional.

Esta é “uma medida entre muitas outras que estamos a tomar para fortalecer o nosso sistema e garantir que seja forte, eficiente e ágil”, disse o porta-voz.

Segundo o porta-voz, o chefe do Governo irlandês “não comenta a política migratória de outro país”, mas sublinha “a importância de proteger a integridade do sistema migratório na Irlanda”.

O país de cinco milhões de habitantes, membro da União Europeia, tem sido atormentado nos últimos meses por tensões crescentes sobre o alojamento de migrantes, com um aumento de manifestações hostis, por vezes pontuadas por incidentes.

Na RTE, a ministra da Justiça irlandesa, Helen McEntee — responsável pelos assuntos internos — revelou no sábado que iria discutir o regresso dos migrantes ao Reino Unido com o ministro do Interior britânico, James Cleverly, durante uma visita a Londres na segunda-feira.

“O que fica claro na decisão que o Reino Unido tomou ao escolher o Brexit é que está a assistir a um aumento de requerentes de asilo no seu país”, declarou.

A governante disse ainda que a sua preocupação como ministra da Justiça é garantir “um sistema e estruturas de imigração eficazes”.

“É por isso que apresentarei legislação de emergência esta semana, para garantir que possamos realmente devolver as pessoas de forma eficaz ao Reino Unido”, acrescentou.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados