17 Julho, 2024

CHEGA assume vice-presidência do grupo europeu Patriotas pela Europa

O eurodeputado do CHEGA António Tânger-Corrêa vai assumir uma das vice-presidências do grupo europeu Patriotas pela Europa, família política que será presidida pelo líder da União Nacional, o francês Jordan Bardella.

© Folha Nacional

“O CHEGA conseguiu negociar uma vice-presidência desse grupo, significa que estaremos também no Parlamento Europeu representados ao mais alto nível”, afirmou o líder do partido em declarações aos jornalistas antes de uma visita a uma associação de defesa dos animais em Barcarena (concelho de Oeiras e distrito de Lisboa).

Nesta ocasião, André Ventura não quis adiantar qual dos eurodeputados eleitos iria assumir o cargo mas mais tarde, em comunicado enviado à Lusa, o CHEGA indicou que António Tânger-Corrêa “foi eleito um dos vice-presidentes daquele que passa a ser o terceiro maior grupo do Parlamento Europeu, com 84 membros de 12 países”.

O líder do partido disse que a decisão não foi unânime e agradeceu o voto dos “aliados mais próximos” do CHEGA.

Ventura considerou que “é um reconhecimento também por parte destes partidos europeus de que o CHEGA é hoje um pilar fundamental da direita europeia”, e afirmou que “é uma notícia muito positiva para Portugal e acho que é uma notícia positiva para a direita europeia”.

O líder do CHEGA indicou que o partido espanhol Vox “terá também uma das vice-presidências deste grupo”.

“Significa que estamos na Península Ibérica a consolidar uma direita que quer ser poder, quer ser alternativa e estamos já a trabalhar para isso”, defendeu.

O líder do partido francês União Nacional, Jordan Bardella, que era apontado como o possível próximo primeiro-ministro de França, vai ser o presidente dos Patriotas pela Europa, o novo grupo de direita radical no Parlamento Europeu.

O anúncio foi feito depois de uma reunião com os eurodeputados que constituirão este novo grupo político, que se realizou no Parlamento Europeu, em Bruxelas.

O Patriotas pela Europa é uma família política que nasceu depois das eleições europeias de junho e surgiu por iniciativa do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, depois de o seu partido ter saído do Partido Popular Europeu (PPE).

Na ocasião, André Ventura comentou também as eleições legislativas em França que se disputaram no domingo, e considerou que a União Nacional (RN, sigla em francês), de Marine de Pen, “foi o partido com mais votos ontem à noite, em termos absolutos”, indicando que “o sistema eleitoral francês permite que se desenvolvam coligações antinaturais em cada círculo”.

“O Rassemblement Nacional é hoje o partido com mais votos em França, e isso é uma mudança grande, porque estamos a falar de um país central da União Europeia. Vai ser sozinho o maior grupo parlamentar de partido, sem coligações, e isso nunca é uma derrota. Agora, a expectativa que existia era de uma vitória nas eleições legislativas que permitisse ter um governo, isso não aconteceu, e eu também estou convencido, como disse ontem à noite Marie Le Pen, que esta vitória foi só adiada do ponto de vista político”, afirmou o líder do CHEGA.

De acordo com os resultados oficiais divulgados na manhã de hoje, a coligação de esquerda obteve 182 cadeiras na Assembleia Nacional, ficando à frente da aliança centrista do Presidente Macron, com 168.

O União Nacional, partido de direita radical, e os seus aliados ficaram restritos ao terceiro lugar, embora os seus 143 lugares ainda estejam muito acima do seu melhor resultado anterior, de 89 cadeiras em 2022.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Receba o Folha Nacional no seu e-mail

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados