13 Junho, 2024

Estúdios e argumentistas de Hollywood chegam a acordo para acabar com greve

O sindicato dos argumentistas e os estúdios de Hollywood chegaram a um acordo de princípio para acabar com uma greve histórica, que dura há quase cinco meses.

© DR

O WGA (Writers Guild of America) anunciou o acordo num comunicado conjunto com a AMPTP (Alliance of Motion Picture and Television Producers), grupo que representa Netflix, Amazon, Apple, Disney, Warner Bros. Discovery, NBC Universal, Paramount e Sony, publicado no domingo.

O acordo “foi possível graças à solidariedade duradoura dos membros do WGA e ao apoio extraordinário dos sindicatos parceiros que se juntaram aos piquetes durante mais de 146 dias”, disse o WGA, num email enviado aos membros.

O acordo, que será válido durante três anos, foi alcançado após uma maratona de cinco dias de negociações e tem de ser aprovado pela liderança e pelos membros do WGA antes da greve terminar oficialmente.

Assim que isso acontecer, produções como ‘talk-shows’ vão poder regressar.

A atriz e apresentadora Drew Barrymore já tinha, em meados deste mês, anunciado que ia voltar a gravar o ‘talk-show’ diurno sem a presença dos argumentistas em greve, e embora não estivesse tecnicamente a romper a greve, a decisão foi muito contestada.

No entanto, a indústria televisiva e cinematográfica de Hollywood vai continuar longe do normal, uma vez que a greve dos atores vai continuar e não foram retomadas as negociações entre o sindicato dos atores SAG-AFTRA e os estúdios.

Num comunicado, o SAG-AFTRA deu os parabéns ao WGA por chegar a acordo “após 146 dias de incrível força, resiliência e solidariedade nos piquetes”.

“Embora estejamos ansiosos por analisar o acordo provisório entre o WGA e a AMPTP, continuamos comprometidos em alcançar os termos necessários para os nossos membros”, sublinhou o sindicato.

O SAG-AFTRA continuou “a exortar os CEO [presidente executivos] dos estúdios e plataformas e a AMPTP a voltarem à mesa e fazerem um acordo justo”.

A greve de argumentistas e atores em Hollywood já custou à Califórnia cerca de cinco mil milhões de dólares (4,7 mil milhões de euros), de acordo com o Milken Institute.

A autarca de Los Angeles, Karen Bass, emitiu um comunicado a dar os parabéns aos dois lados pelo acordo e disse ter esperança de que o mesmo possa acontecer em breve com os atores.

“Agora, devemo-nos concentrar em fazer com que a indústria do entretenimento e todas as pequenas empresas que dela dependem recuperem”, disse Bass.

Cerca de 11.500 membros do WGA iniciaram, em 02 de maio, uma greve devido a questões salariais e ao uso de inteligência artificial na criação de argumentos.

Atores e argumentistas querem garantir que os estúdios não vão usar Inteligência Artificial (IA) para os substituir e querem receber pagamentos residuais no modelo de transmissão através de plataformas como a Netflix.

Anteriormente, estes pagamentos eram dados aos artistas de receitas provenientes de séries ou filmes licenciados para mercados internacionais ou retransmitidas na televisão.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados