20 Abril, 2024

Recompensados dois jovens que ajudaram dezenas de pessoas durante ataque em Moscovo

Dois adolescentes russos que ajudaram dezenas de pessoas a escapar da sala de concertos Crocus City Hall em Moscovo durante o atentado de sexta-feira, que matou pelo menos 137 pessoas, foram homenageados hoje pela escola que frequentam.

© D.R.

Segundo a imprensa russa, Islam Khalilov e Artiom Donskov, ambos de 15 anos, receberam computadores portáteis como recompensa pelo seu comportamento.

A imprensa russa relatou que os dois jovens, que estavam a trabalhar nos camarins da sala de espetáculos, mostraram uma postura exemplar ao acompanharem grupos de espetadores até à saída do recinto.

Imagens filmadas por telemóvel mostram Islam Khalilov a correr ao longo de uma fila de dezenas de espetadores em pânico.

“Todos por ali!”, grita o adolescente várias vezes, de acordo com as imagens, hoje relatadas pelas agências internacionais.

“Para dizer a verdade, estava muito assustado”, disse o jovem à estação de rádio russa BFM, acrescentando que se tinha certificado de que ninguém tinha ficado para trás antes de abandonar o local.

“Mostraram-nos e disseram-nos para onde enviar as pessoas em caso de incidente. Eu sabia para onde as levar em segurança”, disse.

O seu colega de turma, Artiom Donskov, acompanhou outro grupo que procurava uma saída no interior do edifício, que já estava a arder.

Na próxima sexta-feira (dia 29), e segundo avançou a agência noticiosa russa TASS, Islam Khalilov deverá também receber um prémio da Direção Espiritual dos Muçulmanos na Rússia, uma importante organização religiosa.

O ataque de sexta-feira foi reivindicado pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI), mas o Kremlin (presidência russa) continuou hoje a recusar a comentar esta informação enquanto decorre a investigação.

Outro “herói” dos acontecimentos de sexta-feira foi um espetador do concerto que decorria nesse dia no Crocus City Hall e que conseguiu desarmar um dos atacantes com as suas próprias mãos, perante várias testemunhas.

O homem, que pediu anonimato e estava acompanhado pela sua mulher, disse aos meios de comunicação russos que saltou para cima de um dos atacantes enquanto este recarregava a arma e atingiu-o na cabeça, tendo outro homem vindo em seu auxílio.

Um elemento da segurança do recinto disse, por sua vez, ao ‘media’ russo Izvestia que ele e três outros homens bloquearam uma porta num corredor contra a qual um dos atacantes estava a disparar, para permitir a saída de um grupo de pessoas que ele escoltava.

Segundo os últimos dados oficiais, o atentado no Crocus City Hall, a 20 quilómetros do centro de Moscovo, causou pelo menos 137 mortos e 182 feridos, tendo os quatro presumíveis autores do ataque sido acusados domingo de terrorismo, crime punível com prisão perpétua.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados