27 Maio, 2024

Trump acredita que casos judiciais o favorecem

Na semana em que Donald Trump comparece em tribunal em Nova Iorque, os consultores do candidato republicano às presidenciais de novembro acreditam que os casos judiciais o podem favorecer nas urnas.

©facebook.com/DonaldTrump

 

Recentes sondagens indicam que metade dos eleitores norte-americanos consideram que Trump é culpado no caso judicial em que o ex-presidente responde por acusações de ter usado ilegalmente dinheiro da campanha eleitoral para pagar o silêncio da atriz pornográfica Stormy Daniels sobre um caso extramatrimonial.

Uma sondagem divulgada este mês pelo jornal Politico acrescentava, contudo, que 44% dos respondentes considera que uma eventual condenação de Trump neste caso não terá qualquer impacto sobre a imagem política do ex-presidente.

Ainda assim, são muitos mais os restantes que consideram que essa condenação os levaria a deixar de o apoiar (32%) do que os que respondem que manteriam o seu apoio eleitoral (13%).

No entanto, estes números parecem não preocupar os estrategos de campanha de Trump, que nas últimas semanas têm declarado estar tranquilos sobre o início do julgamento do ex-presidente em Nova Iorque.

Os consultores acreditam mesmo que os quatro processos em que está envolvido o podem beneficiar – há três outros casos: um em que é acusado de tentar reverter os resultados eleitorais de 2020, em Washington; um em que é acusado de ter retido ilegalmente documentos confidenciais, na Florida; e um em que é acusado de tentativa de alterar resultados eleitorais, na Georgia.

O argumento é o de que Trump saberá tirar proveito da sua frequente presença no banco dos réus, repetindo o argumento de que, em qualquer um dos processos judiciais, está a ser vítima de uma “caça às bruxas” patrocinada pela Casa Branca do democrata Joe Biden, que será seu rival nas eleições de novembro próximo.

“Este julgamento vai acontecer dentro da sala de tribunal, mas também na rua, e a opinião pública saberá dar o seu veredicto. E esse veredicto terá em conta que há uma urgência por parte dos democratas em afastar o candidato republicano que está à frente nas sondagens”, disse Lenny Vale, consultor da campanha de Trump no estado de Nova Iorque, citado na passada semana pelo jornal Boston Globe.

Os advogados de Trump já começaram a argumentar que Trump é a principal vítima do caso que vai ser julgado em Nova Iorque, alvo de “interferência eleitoral”, menorizando os factos que apontam para a utilização indevida de fundos de campanha para pagar o silêncio da atriz pornográfica.

Contudo, o procurador Alvin Bragg, a quem compete a condução da acusação contra o ex-presidente, defende ter sido o candidato republicano a tentar manipular o sistema judicial, falsificando documentos e encobrindo atos ilícitos.

A acusação tem uma outra arma relevante: Michael Cohen, o ex-advogado de Trump que se encarregou de agilizar o processo de pagamento a Stormy Daniels e que, segundo as sondagens, 48% dos eleitores consideram ser uma pessoa desonesta, reforçando a tese de que o candidato republicano se rodeou de figuras capazes dos mais atrozes crimes para tentar ganhar as eleições.

Contudo, para vários analistas, este caso em particular tem outros ângulos que podem beneficiar a imagem de Trump, sobretudo junto dos eleitores que não atribuem grande significado à tentativa de silenciar uma atriz pornográfica.

John Coffee Jr., um professor de Direito da Universidade de Columbia, citado pelo jornal britânico The Guardian, acentua esta abordagem como um elemento que ajuda a explicar o desinteresse de muitos eleitores pelo impacto político deste julgamento.

“As pessoas dirão: ‘O Trump enganou a mulher?! Grande coisa! Que novidade! E depois tentou esconder isso?! Que novidade!’”, ironizou este professor de Direito, para explicar que a maioria dos eleitores sabe dos casos extramatrimoniais de Trump e isso não parece afetar a sua imagem pública.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados