21 Junho, 2024

Exército diz ter encontrado imagens relacionadas com reféns no Hospital Al Shifa

Imagens relacionadas com reféns capturados pelo movimento islamita palestiniano Hamas durante o seu ataque a Israel foram encontradas em computadores apreendidos no Hospital al-Shifa, na Faixa de Gaza, disse hoje o Exército israelita.

©Facebook Israel Reports

As imagens foram encontradas em equipamentos “pertencente ao Hamas”, disse um oficial das Forças de Defesa de Israel (FDI) em comunicado, acrescentando que a operação estava hoje em curso, pelo segundo dia consecutivo, na maior unidade hospitalar da Faixa de Gaza, onde permanecem centenas de doentes, funcionários e civis abrigados da guerra no enclave.

O principal hospital da Faixa de Gaza é apresentado por Israel como um centro estratégico e militar do Hamas, uma alegação rejeitada pelo movimento islamita, no poder no território desde 2007.

As FDI realizam atividades operacionais “precisas e específicas dentro do complexo hospitalar”, que são “geridas por etapas, de acordo com avaliações da situação em curso”, informou o comandante militar israelita.

“Os militares avançam de edifício em edifício, revistando cada andar, enquanto centenas de doentes e pessoal médico permanecem no complexo”, segundo a mesma fonte, que afirmou que a operação “é realizada de forma discreta, metódica e exaustiva”, com base em interrogatórios feitos no local.

O comando militar israelita insistiu que “existe uma infraestrutura terrorista bem escondida” no complexo de saúde.

De acordo com o oficial israelita, até agora foram encontradas “armas, informações – incluindo sobre os acontecimentos de 07 de outubro -, equipamentos tecnológicos, equipamento militar, centros de comando e controlo e equipamentos de comunicações, todos pertencentes ao Hamas”.

Números avançados à agência France-Presse (AFP) indicam que na unidade hospital se encontram cerca de 2.300 pessoas.

O Ministério da Saúde do Hamas, por sua vez, afirmou que o exército israelita atacou vários serviços do hospital.

“Destruíram o serviço de radiologia e bombardearam os serviços de queimados e diálise”, disse à AFP o porta-voz do Ministério, Ashraf al-Qidreh.

“Eles estão no complexo a entrevistar médicos, feridos e deslocados”, assinalou, descrevendo a situação: “Não temos eletricidade, água potável ou alimentos (…) Milhares de mulheres, crianças, doentes e feridos correm perigo de morte”.

As escavadoras israelitas, acusou o porta-voz, destruíram parcialmente a entrada sul do complexo, perto da maternidade, já danificada por disparos de tanques nos últimos dias.

Após o seu primeiro dia de intervenção, na quarta-feira, o exército israelita afirmou ter encontrado “munições, armas e equipamento militar” no Hospital al-Shifa, divulgando imagens de armamento que afirmam pertencer ao Hamas.

Em reação, o Ministério da Saúde do Governo do Hamas apenas disse, citado pela agência France-Presse, que o Exército israelita “não encontrou armas nem equipamento militar” no hospital al-Shifa e que “não autoriza” a presença de armamento nos seus estabelecimentos hospitalares.

A AFP não conseguiu verificar estas afirmações de forma independente.

Em 07 de outubro, combatentes do Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) – desde 2007 no poder na Faixa de Gaza e classificado como organização terrorista pelos Estados Unidos, a União Europeia e Israel – realizaram em território israelita um ataque de dimensões sem precedentes desde a criação do Estado de Israel, em 1948, fazendo 1.200 mortos, na maioria civis, cerca de 5.000 feridos e mais de 200 reféns.

Em retaliação, Israel declarou uma guerra para “erradicar” o Hamas, que começou por cortes ao abastecimento de comida, água, eletricidade e combustível na Faixa de Gaza e bombardeamentos diários, seguidos de uma ofensiva terrestre que cercou a cidade de Gaza.

A guerra entre Israel e o Hamas, que hoje entrou no 41.º dia e continua a ameaçar alastrar a toda a região do Médio Oriente, fez até agora na Faixa de Gaza 11.500 mortos, na maioria civis, 29.800 feridos, 3.250 desaparecidos sob os escombros e mais de 1,6 milhões de deslocados, segundo o mais recente balanço das autoridades locais.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados