22 Fevereiro, 2024

Detido antigo vice-presidente do Banco de Desenvolvimento da China

A Procuradoria-Geral da China ordenou hoje a detenção de Zhou Qingyu, antigo vice-presidente Banco de Desenvolvimento da China, instituição do Estado chinês que é um dos principais financiadores dos países em desenvolvimento.

© D.R.

Zhou foi acusado de aceitar subornos.

A detenção surge no final de uma investigação da Comissão Nacional de Supervisão, órgão máximo anticorrupção da China, sobre suspeitas de “violações graves” da lei, informou a agência de notícias oficial chinesa Xinhua.

Ainda não foi divulgada qualquer informação sobre as datas do julgamento do antigo diretor financeiro.

Zhou, que ocupou o cargo entre 2016 e julho de 2022, apenas dois meses antes de completar 60 anos, está também a ser investigado desde maio pela Comissão Central de Inspeção e Disciplina, o poderoso órgão anticorrupção do Partido Comunista da China (PCC).

Em novembro passado, aquele órgão acusou o banqueiro, nascido em 1962 na província central de Henan, de, entre outras coisas, “colecionar e ler em privado livros e publicações sobre questões políticas sérias”, “aceitar banquetes”, “aderir a clubes privados” e “interferir de forma flagrante no recrutamento de funcionários de instituições financeiras”.

Em fevereiro passado, o PCC comprometeu-se a intensificar a campanha contra a má conduta financeira, poucos dias depois de o desaparecimento do conhecido banqueiro Bao Fan, que mais tarde anunciou estar a “cooperar numa investigação”, de acordo com o banco de investimento de que é fundador, o China Renaissance.

A campanha no setor financeiro resultou na acusação de vários funcionários de organismos reguladores e de altos dirigentes de empresas.

Depois de ascender ao poder, em 2012, o atual secretário-geral do PCC e Presidente da China, Xi Jinping, deu início a uma campanha anticorrupção, no âmbito da qual centenas de funcionários chineses foram condenados por aceitarem subornos no valor de milhões.

Alguns críticos sugeriram que a campanha foi também utilizada para afastar alguns dos rivais políticos de Xi.

O líder chinês foi reeleito em outubro passado, no 20.º Congresso do PCC, para um terceiro mandato, sem precedentes entre os antecessores das últimas décadas.

O Banco de Desenvolvimento da China converteu-se, nas últimas décadas, num financiador chave dos países em desenvolvimento, sendo, por exemplo, um dos principais financiadores de Angola.

Agência Lusa

Agência Lusa

Folha Nacional

Ficha Técnica

Estatuto Editorial

Contactos

Newsletter

© 2023 Folha Nacional, Todos os Direitos Reservados